Uma Vida, Uma Cidade: Um Estudo Discursivo de uma Metonímia

Luiz Alex Silva Saraiva, Alexandre de Pádua Carrieri

Resumo


Em Itabira, em Minas Gerais, têm sido buscadas alternativas futuras em face de um cenário de esgotamento da atividade de mineração. A cultura tem sido mobilizada como um dos principais caminhos nesse sentido, o que ocorre particularmente por meio da exploração da figura de Carlos Drummond de Andrade como eixo de um processo econômico complexo que tem influenciado a dinâmica simbólica local. Neste texto, por meio da análise do discurso, o objetivo é examinar uma narrativa individual que, metonimicamente, espelha o movimento da cidade, de migração da mineração para a cultura. A análise da trajetória do entrevistado, que de operário da mineração se tornou um poeta, sugere que, embora seja relativamente comum atribuir características humanas para tratar de cidades, pessoas como o entrevistado é que conferem sentido à urbe e à sua dinâmica. O trabalho traz duas contribuições principais: em primeiro lugar, verifica-se atualmente um processo de “fabricação” de vocações em Itabira, a qual, embora tenha inspirado muitos dos poemas de Carlos Drummond de Andrade, não é “naturalmente” cultural, sendo esse processo orquestrado pela necessidade de diversificação da economia local. A segunda contribuição é politizar a ideia de cidade, considerando-a, essencialmente, o que o seu povo é.

Palavras-chave


Narrativa Biográfica; Cidade; Metonímia; Análise do Discurso

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/23172428rigs.v3i1.8687