Lugares de Memória da Resistência em Salvador: Arte, Ruínas e Descaso

Priscila Cabral Almeida, Rodrigo de Carvalho Oliveira

Resumo


Os projetos e processos de construção de lugares de memória da resistência em Salvador, referentes às memórias das vítimas da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985), fazem parte de um repertório de políticas públicas de memória construído no contexto de aprofundamento da justiça de transição do país e impulsionado, no início dos anos 2000, pela Comissão de Anistia do Ministério de Justiça. O objetivo deste ensaio é interpretar as expressões construídas e desconstruídas nestes lugares de memória em Salvador, as quais, apesar de representarem uma forma de reparação simbólica às vítimas e de fortalecimento de narrativas pedagógicas em torno da cultura dos direitos humanos, nunca “saíram do papel”. O arcabouço teórico mobilizado neste ensaio faz referência aos debates em torno da memória social, nos quais o conceito de lugares de memória é operacionalizado para compreender as disputas de grupos em torno da patrimonialização e construção de bens culturais nestes espaços.  As primeiras seções do ensaio fazem referência à pesquisa etnográfica sobre os processos de construção dos lugares de memória da resistência em Salvador e sua ressonância quando aplicada no processo de ensino-aprendizagem no componente de Estudos sobre a Contemporaneidade II, no IHAC-UFBA. Na última seção, descreve-se a intervenção artística desenvolvida como desdobramento da experiência em sala de aula, nos lugares de memória da resistência em Salvador (Monumento Tortura, Casa Marighella, Casas do Pelourinho e Quartel do Forte do Barbalho), a partir do entrecruzamento entre fotografias e narrativas. Como contribuição final, aponta-se para novas formas de leitura e expressão sobre a temática sensível da ditadura civil-militar, marcada pela prática interdisciplinar e que visibiliza e cria novas formas de práticas no espaço urbano, assim como acena para os desafios da institucionalização dos lugares de memória da resistência para os campos do patrimônio cultural e da gestão social.

Palavras-chave


Ditadura Civil-Militar Brasileira; Resistência; Patrimônio; Etnografia; Intervenção Artística

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, P. C. Processos de construção dos lugares de memória da resistência em Salvador - projetos, disputas e assimetrias. 2018. Tese (Doutorado em História, Política e Bens Culturais) – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

AZEVEDO, Desirée de Lemos. “A única luta que se perde é a que se abandona”: etnografia entre familiares de mortos e desaparecidos no Brasil. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Ed. Marco Zero, 1983.

COMISSÃO ESTADUAL DA VERDADE DA BAHIA. Relatório de Atividades 2013/2014. Salvador, 2014.

COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. Relatório / Comissão Nacional da Verdade. – Recurso eletrônico. – Brasília: CNV, 2014.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Iphan, 1996.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, 1990.

HARTOG, François. Tempo e Patrimônio. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 22, n. 36, p. 262-273, jul./dez. 2006.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

JELIN, Elizabeth. Los derechos humanos y la memoria de la violencia política y la represión: la construcción de un campo nuevo en las ciencias sociales. Cuadernos del Ides, Buenos Aires, n. 2, p. 2-27, out. 2003.

LIFSCHITZ, Javier Alejandro. La memoria política y sus espectros: el terrorismo de Estado en América Latina. Madrid: Editorial Academica Española, 2015.

MARCUS, George. Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography. In: MARCUS, George E. Ethnography through Thick/Thin. Princeton: Princeton University Press, 1998.

NORA, Pierre. Memória: da liberdade à tirania. Revista MUSAS, n. 4, p. 6-10, 2009.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: A problemática dos lugares. Projeto História 10. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, São Paulo, n. 10, p. 1-178, dez. 1993.

OLIVEIRA, Rodrigo Carvalho de. Intervenções. [Foto-livro], 2018. Disponível em: , Acesso em: 30 dez. 2018.

POMIAN, Krzystof. Memória. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 2000. v. 42 (Sistemática), p. 507-516.

ROSA, Hartmut. Remède à l'accélération. Impressions d'un voyage en Chine et autres textes sur la résonance. Paris: Philosophie Magazine Éditeur, 2018.

SHAFIR, Isabel Piper. Memoria colectiva, espacio e investigación social. In: SHAFIR, Isabel Piper; JORDÁN, Evelyn Hevia. Espacio y recuerdo: archipélago de memorias en Santiago de Chile. Santiago: Ocho Libros Editores, 2012. p. 13-30.

SOARES, Inês Virgínia Prado e QUINALHA, Renan Honório. Lugares de memória no cenário brasileiro da justiça de transição. Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 10, p. 75-86, jun. 2011.

TEIXEIRA, Carla Costa. Pesquisando instâncias estatais: reflexões sobre o segredo e a mentira. In: CASTILHO, Sergio Ricardo Rodrigues; LIMA, Antonio Carlos de Souza; TEIXEIRA, Carla Costa (Org.). Antropologia das práticas de poder: reflexões etnográficas entre burocratas, elites e corporações. Rio de Janeiro: Contra Capa; Faperj, 2014. p. 33-42.