A Festa Universitária como Prática Fomentadora de Valores na Organização: As Economíadas à Luz da Ergologia

Rodrigo Guimarães Motta, Iara Mola, Maria Amélia Corá

Resumo



As Economíadas são o maior evento esportivo entre as melhores faculdades de Administração e Economia de São Paulo. Dada a complexidade envolvida na sua realização, elas oferecem uma oportunidade para que os alunos, responsáveis pela sua preparação anual, apreendam, de fato, uma vivência organizacional. Assim, haja vista que entre as principais habilidades demandadas pelas organizações está o bom relacionamento interpessoal, este artigo se propôs a analisar como as Economíadas podem se configurar como uma prática fomentadora de valores considerados essenciais nas relações de trabalho. Para tanto, foram adotados pressupostos ergológicos e a abordagem etnográfica, mediante a observação participante e a gravação dos depoimentos de dois organizadores da edição de 2017. No estudo, verificou-se que, mais do que atender a prescrições generalizantes para a promoção das Economíadas, somente por meio da mobilização dos valores dos atores sociais, no exercício da sua subjetividade e singularidade, é que as finalidades propostas puderam ser não apenas viabilizadas, como também superadas.

Palavras-chave


Festas Universitárias; Economíadas; Ergologia; Debate de Valores; Afetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA ATLÉTICA ACADÊMICA GETÚLIO VARGAS (AAAGV). Estatuto social. São Paulo, 2017.

BARNARD, C. I. As funções do executivo. São Paulo: Atlas, 1979.

BISPO, M. D. S. Estudos baseados em prática: conceitos, história e perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, Salvador, v. 2, n. 1, p. 13-33, 2013.

BITENCOURT, C.; GONÇALO, C. O desenvolvimento do autoconhecimento como estrutura básica para a aprendizagem organizacional. In: ENCONTRO NACIONAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD. 23. 1999, Foz do Iguaçu. Anais... Anpad, 1999. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

BORGES-ANDRADE, J. E. Conceituação e mensuração de comprometimento organizacional. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 37-47, abr. 1994. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2019.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Tradução de Sandra Mallmann da Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

CZARNIAWSKA-JOERGES, B. Process of organizing. In: WARNER, M. (Ed.). International encyclopedia of business and management. Londres: Routledge, 1996.

FGV. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Sobre a EAESP. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2018.

G1. Com jogos e shows, 'Economíadas' deve movimentar R$ 5 milhões em São Carlos. G1, São Carlos e Araraquara, 1º nov. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2018.

JUSTINO, E. et al. A Importância do relacionamento interpessoal na gestão de competência da empresa Afaco Convertedora Gás Natural Veicular Ltda. In: Anais do VII Seminário Multidisciplinar ENIAC 2015, vol. 1, n. 7, 185-196. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2019.

KUHN, M. C.; SCORTEGAGNA, S. A. A relevância da empatia no desenvolvimento inter-relacional em equipes de trabalho. In: EGEPE - ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDIMENTO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS. 9. Passo Fundo, RS, 16 a 18 de março de 2016. Anais... São Paulo: Anegepe, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

MAGGIONI, A. F. et al. O imaginário organizacional das relações interpessoais. Ciências Humanas e Sociais Unit, Aracaju, v. 2, n. 3, p. 139-150, março 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2019.

MARANDON, G. Au-delà de l’empathie, cultiver la confiance: clés pour la reencontre interculturelle. Revista CIDOB d’Afers Internacionals, n. 61-62, p. 259-282, 2003.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOSCOVICI, F. Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupos. 10. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

MOWDAY, R. T.; STEERS, R. M.; PORTER, L. W. The measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, v. 14, p. 224-247, 1979.

NEWELL, S.; SWAN, J. Trust and inter-organizational networking. Human Relations, v. 53, n. 10, p. 1287-1328, 2000.

PLATAFORMA SUCUPIRA. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2019.

RAELIN, J. A. Toward an epistemology of practice. Academy of management learning & education, v. 6, n. 4, p. 495-519, 2007.

SANTOS, A. L. Amor Preto e Amarelo. GVExecutivo. Memória, v. 4, n. 1, jan./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2018.

SANTOS, L. L. S.; SILVEIRA, R. A. Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 72, p. 79-98, 2015.

SCHWARTZ, Y. Manifesto por um ergoengajamento. In: BENDASSOLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (Org.). Clínicas do trabalho. São Paulo: Atlas, 2011a. p. 132-166.

SCHWARTZ, Y. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, supl.1, p. 19-45, 2011b. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-77462011000400002&script=sci_abstract&tlng=es>. Acesso em: 15 fev. 2019.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: EdUFF, 2007.

SciELO. Scientific Electronic Library Online. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2019.

SILVA, D. M. et al. A importância do relacionamento interpessoal no contexto organizacional. CONVIBRA – CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO. 5. 2007. Anais... São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

SIQUEIRA, M. M. M. et al. Bases Teóricas de Bem-Estar Subjetivo, Bem-Estar Psicológico e Bem-Estar no Trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 24, n. 2, p. 201-209, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

SOUZA-E-SILVA. M. C. P. Atividade de Linguagem, Atividade de Trabalho: Encontro de Múltiplos Saberes. Revista Intercâmbio, São Paulo, v. 18, p. 1-21, 2008.

TISSERON, S. L'empathie au coeur du jeu social. Paris: Albin Michel, 2014.