Aprendizagem Organizacional: Um Enfoque acerca da Abordagem Social da Aprendizagem e o Elemento “Emoção”

Luana Furtado Vilas Boas, Marcio Pascoal Cassandre

Resumo


A abordagem da Aprendizagem Organizacional (AO) vem se destacando nos últimos anos na área dos Estudos Organizacionais. É nesse contexto que emergiram diversas perspectivas da AO, com a intenção de tentar explicar seus principais conceitos e processos. Desta forma, surgiram múltiplos enfoques na área de AO, tornando-a uma temática complexa e até mesmo confusa. Tendo em vista que a abordagem social da aprendizagem considera o sujeito como um ser em constante atividade e interação, que encontra-se inserido em um contexto sociocultural, é que o elemento emoção torna-se importante de ser discutido. Diante disso, o objetivo deste trabalho é de fornecer caminhos para a compreensão do elemento emoção para AO, enfatizando o valor de tal fator para a aprendizagem no contexto organizacional. Desta forma, a partir de pesquisa bibliográfica, realizou-se um ensaio teórico, abrangendo algumas abordagens de AO em que elemento emoção tem influência no processo de AO.


Palavras-chave


Aprendizagem Organizacional. Abordagem Social. Interação. Conhecimento. Emoção.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONACOPOULOU, E.; CHIVA, R. The Social Complexity of Organizational Learning: The Dynamics of Learning and Organizing. Management Learning, V.38, n.277, p. 277-295, 2007

ANTONELLO, C. S. A metamorfose da aprendizagem organizacional: uma revisão crítica. In R. Ruas, C. S. Antonello, & L. H. Boff (Orgs.), Aprendizagem organizacional e competências (pp. 12-33). Porto Alegre: Artmed, 2005.

ANTONELLO, C.S; GODOY, A.S. Aprendizagem Organizacional e Raízes da Polissemia. In: ANTONELLO, C.S; GODOY, A.S. (Eds.) Handbook de Aprendizagem Organizacional. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BASTOS, A. V. B.; GONDIM, S. M. G.; LOIOLA, E. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. Revista de Administração, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 220-230, 2004.

BITENCOURT, C. C; AZEVEDO, D. O futuro da aprendizagem organizacional: possibilidades e desafios. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, p. 110-112, nov./dez. 2006. Edição Especial.

COOK, S. D. N.; YANOW, D. Culture and organizational learning. Journal of Management Inquiry, v. 2, n. 4, p. 373-390, 1993.

ELKJAER, B. Organizational learning: the third way. Management Learning, v.35, .4, p. 419-434. 2005.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

ENGESTRÖM, Y. Expansive Learning at Work: Toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, Vol. 14, No. 1, p. 133-156, 2001.

ENGESTRÖM, Y. Developmental work research: expanding activity theory in practice. Berlin: Lehmanns Media, 2005.

FINEMAN, S. A emoção e o processo de organizar. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Orgs.) Handbook de Estudos Organizacionais, v.II, São Paulo: Atlas, 1998.

GODOI, Christiane Kleinübing; FREITAS, Sandra Margarete Ferreira de and CARVALHO, Taís Baumgarten. Motivação na aprendizagem organizacional: construindo as categorias afetiva, cognitiva e social. RAM, Rev. Adm. Mackenzie (Online) [online]. 2011, vol.12, n.2, pp. 30-54. ISSN 1678-6971.

GUDOLLE, Lucas Socoloski; ANTONELLO, Claudia Simone and FLACH, Leonardo. Aprendizagem situada, participação e legitimidade nas práticas de trabalho. RAM, Rev. Adm. Mackenzie [online]. 2012, vol.13, n.1, pp. 14-39. ISSN 1678-6971.

GHERARDI, S. Practice-Based Theorizing on Learning and Knowing in Organizations. Organization, pp. 211-223, 2007.

LATOUR, Bruno. On actor-network: a few clarifications. Soziale welt, 1996.

MACHADO, Letícia Vier; FACCI, Marilda Gonçalves Dias and BARROCO, Sonia Mari Shima. Teoria das emoções em Vigotski.Psicol. estud. [online]. 2011, vol.16, n.4, pp. 647-657. ISSN 1413-7372.

MELO, Maria de Fatima Aranha de Queiroz e. Seguindo as pipas com a metodologia da TAR. Rev. Dep. Psicol., UFF, Niteroi, v.19, n. 1, 2007.

NICOLINI, D; GHERARDI, S.; YANOW, D. Introduction: Toward a Practice-Based View of Knowing and Learning in Organizations. In: Nicolini, D.; Gherardi, S. & Yanow, D. (eds.) Knowing in organizations: a practice-based approach. London, 2003

PRANGE, C. P. Aprendizagem Organizacional: Desesperadamente em Busca de Teorias? In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (Coord.). Aprendizagem organizacional e organização de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática. São Paulo: Atlas, 2001. p. 15-38.

QUEROL, M. A. P. ; CASSANDRE, M. P. ; BULGACOV, Y. L. M. . Teoria da Atividade: Contribuições Conceituais e Metodológicas para o Estudo da Aprendizagem Organizacional. Gestão & Produção (UFSCAR. Impresso), 2014.

SANNINO, A. Activity theory as an activist and interventionist theory. Theory & hology. P.1-27, 2011.

Sawaia, B. B. (2000). A emoção como lócus de produção do conhecimento – uma reflexão inspirada em Vygotsky e no seu diálogo com Espinosa. Acessado em 21 de dezembro de 2015 http://www.fae.unicamp.br/br2000/indit.htm.

TURETA, C.; ALCADIPANI, R. O objeto na análise organizacional: A teoria ator-rede como método de análise da participação dos não- humanos no processo organizativo. Cadernos EBAPE. BR, 7(1), 2009.

VYGOTSKY, L. Interaction between learning and development. Mind and Society. Cambridge, MA: Harvard University Press, p. 19-91, 1978.

WENGER, E. C.; MCDERMOTT, R.; SNYDER W C., Communities of Practice and Their Value to Organizations. In: WENGER, E. C.; MCDERMOTT, R.; SNYDER W C., Cultivating Communities of Practice: A Guide to Managing Knowledge, Harvard Business School Press, Cambridge, USA, 2002

WENGER, E. Aprendizaje. In: WENGER, E. Comunidades de Práctica: aprendizaje, significado e identidad, Paidós, Barcelona, 2002.

YANOW, D. Seeing Organizational Learning: A `Cultural' View. Organization, v.7, n.2, p. 247 – 268, 2000.