Violência contra a Mulher: Contribuição sobre as Diferenças Contextuais dos Meios Urbano e Rural

Beatriz Kipnis-Guerra

Resumo


Em 2016, de acordo com os dados mais recentes do 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, uma mulher foi assassinada a cada duas horas no Brasil (FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA, 2017). Neste artigo, se tem como objetivo entender se existem diferenças contextuais entre áreas rurais e urbanas que justificam a formulação e implementação de políticas públicas distintas. Para responder a esse objetivo, utilizou tradições metodológicas mistas via instrumentos quantitativos e qualitativos. Foram utilizados dados secundários de abrangência nacional para analisar indicadores socioeconômicos que caracterizam esses lugares estudados. O esforço de pesquisa também identificou as percepções de gestores(as) e técnicos(as) de organizações públicas que lidam com mulheres em situação de violência nos estados de São Paulo e Goiás. Os achados da pesquisa mostram que os lugares são diferentes nas dimensões: chefia da família, escolaridade, emprego e renda. Além disso, as entrevistas permitiram evidenciar que essas mesmas dimensões podem ser utilizadas por gestores(as) e técnicos(as) como forma de responsabilização das próprias mulheres em situação de violência.


Palavras-chave


Violência contra a Mulher, Contextos, Lugares, Políticas Públicas

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de Gênero: a Construção de um Campo Teórico e de Investigação. Revista Sociedade e Estado. Volume 29, Número 2, Maio/ Agosto, p. 449-469, 2014.

BENAVIDES et al. Violencia familiar y acesso a la justicia em el mundo rural: estudios de caso de cuatro comunidades. Grupo de Análisis para el Desarollo. Lima, 2015.

COSTA, Marta; LOPES, Marta; SOARES, Joannie. Representações Sociais da Violência Contra as Mulheres Rurais: Desvelando sentidos em múltiplos olhares. Revista da Escola de Enfermagem. Vol. 48(2). Pp. 213-220. USP, 2014.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Disponível em: acessado em 20.11.2017.

GARCÍA, María Ángeles; CAMARERO, Luis Alfonso. La reproducción de la violencia de género: una lectura desde las áreas rurales. Revista de Estudios sobre Despoblación y Desarrollo. 2015.

GORTON, Joe; HIGHTOWER, Nikki. Case Study of Community-Based Responses to Rural Woman Battering. Violence Against Women. Vo. 8, No. 7. 2002.

IBGE. Metodologia do Censo Demográfico 2010. Vol. 41. Série Relatórios metodológicos. Rio de Janeiro, 2013.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Microdados de 2015. Disponível em: acessado em 01.05.2017.

MACIEL, Débora Alves. Ação Coletiva, Mobilização do Direito e Instituições Políticas: O Caso da Campanha da Lei Maria da Penha. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Volume 26, Número 77, Outubro, p. 97-245, 2011.

MENEGHEL, Stela et al. Repercussões da Lei Maria da Penha no Enfrentamento da Violência de Gênero. Ciência & Saúde Coletiva, Volume 18, Número 3, p.691-700, 2013.

PERA, Caroline; BUENO, Laura. Revendo o uso de dados do IBGE para pesquisa e planejamento territorial: reflexões quanto à classificação da situação urbana e rural. Cadernos Metrópole. V. 18, n. 37. São Paulo, 2016.

SANTOS, Milton. Por uma Outra Globalização – do Pensamento Único à Consciência Universal. 5 edição. Editora Record. Rio de Janeiro, 2001.

SCHATZKI, Theodore R. Peripheral Visions: The Site of Organizations. Organization Studies. Vol. 26, no. 3, p. 465-484, 2005

SUBIRATS, Joan et al. Análisis y gestión de políticas públicas. Barcelona: Editorial Ariel, 2012.

SIC. Sistema do Serviços de Informação ao Cidadão. Lei de Acesso à Informação. Brasília: CGU, 2017.

SPINK, Peter. O Lugar do Lugar na Análise Organizacional. Revista de Administração Contemporânea. 5, Edição Especial, p.11-34, 2001.

SPINK, Peter. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade. Vo 15 (2). P.18-42. Jul./Dez., 2003.

WENDT, Sarah. Constructions of local culture and impacts on domestic violence in an Australian rural community. Journal of Rural Studies. Vo. 25. pp. 175-184. 2009.