Um Espaço de Saudade: A Feira da Praçados Namorados em Vitória/ES na Memória de seus Integrantes

Eduarda Cricco Miranda Barcelos Gripp, Fabiana Florio Domingues

Resumo


O presente artigo tem por objetivo compreender a influência da construção e reconstrução das memórias a partir das narrativas dos sujeitos na ressignificação do espaço simbólico de uma feira de artesanato. Para tal, buscou-se articular conceitos relacionados à memória organizacional, cotidiano e espaço percebido. A etnografia foi usada como método de coleta e interpretação de dados, além das narrativas dos sujeitos que trabalham na feira há mais de 20 anos, expressas em trechos de diários de campo, elaborados seguindo a técnica de observação participante. Como resultado, evidenciou-se a existência de uma memória coletiva que influencia na percepção do espaço simbólico percebido da Feira de Artesanato e Artes da Praça dos Namorados, da cidade de Vitória/ES. Tal espaço percebido por seus sujeitos como espaço de amizade, cooperação, realização pessoal, espaço de liberdade e saudade, revela um tipo de interação que supera a materialidade física da feira, ampliando seu valor simbólico e mediando as práticas cotidianas nesse contexto organizacional. Este artigo contribui para a ampliação das discussões que envolvem memória organizacional, evidenciando, empiricamente, de que forma as lembranças e memórias influenciam a percepção do espaço organizacional, configurando relações construídas entre sujeitos e o espaço percebido.


Palavras-chave


Memória; Cotidiano; Espaço Percebido; Etnografia; Feira

Texto completo:

PDF

Referências


ADORISIO, A. L. M. Organizational remembering as narrative: "Storying" the past in banking. Organization, v. 21, p. 463-476, jun. 2014.

BARROS, A.; CARRIERI, A. P. O cotidiano e a história: construindo novos olhares na administração. RAE, v. 55, n. 2, p. 151-161 abr. 2015.

BURRELL, G. Ciência normal, paradigmas, metáforas, discursos e genealogias da análise. In: CLEGG, S; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais, v. 1. São Paulo: Atlas, 1999. p. 439-462.

CAVEDON, N. R. Antropologia para administradores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

______. Método etnográfico: da etnografia clássica às pesquisas contemporâneas. In: SOUZA, E. M. (Org.). Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teórico-conceitual. Vitória: EDUFES, 2014. p. 65-90.

CERTEAU, M de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer / Michel de Certeau. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 22. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CHANLAT, Jean-François. Por uma Antropologia da condição humana nas organizações. In: CHANLAT, Jean-François (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. 1. São Paulo: Atlas, 1996.

CLEGG, S. R.; HARDY, C. Introdução: organização e estudos organizacionais. In: CLEGG, S; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. v. 1. São Paulo: Atlas, 1999. p. 27-57.

COSTA, A. S. M.; SARAIVA, L. A. S. Memória e formalização social do passado nas organizações. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 6, p. 1761-1780, 2011.

FERRETTI, M. Feiras Nordestinas – Estudos e problemas. In: FERRETTI, S. (Org.). Reeducando o olhar: estudos sobre feiras e mercados. São Luis, Maranhão: Edições Universidade Federal do Maranhão/Proin-CS, 2000. p. 36-66.

FIGUEIREDO, M. D.; MARQUESAN, F. F. S. Artesanato, Arte, Design... Por que Isso Importa aos Estudos Organizacionais? Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 3, n. 3, p. 127-143, 2014.

FILGUEIRAS, B. S. C. Do mercado popular ao espaço de vitalidade: o Mercado Central de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

GUARINELLO, N. História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, v. 24, n. 48, p. 13-38, 2004.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Editora Centauro, 2006.

IPIRANGA, A. S. R. A cultura das cidades e seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 65-91, jan./fev. 2010.

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. Entrevista Narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Ed.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

LEFEBVRE, H. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd.Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão: 2006.

MAGNANI, J. G. C. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 11-29, jun. 2002.

MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

MOTT, L. R. B. Subsídios à história do pequeno comércio no Brasil. Revista de História, São Paulo, ano 27, n. 105, p. 81-106, jan./mar. 1976.

______. Feira e mercados: pistas para pesquisa de campo. In: FERRETTI, S. (Org.). Reeducando o olhar: estudos sobre feiras e mercados. São Luis, Maranhão: Edições Universidade Federal do Maranhão/Proin-CS, 2000. p. 13-34.

NORA, P. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, dez. 1993.

ROWLINSON, M. et al. Narratives and memory in organizations. Organization. jun. 2014.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teórico e metodológico da geografia. São Paulo: Hucitec, 1988.

SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Por que simbolismo organizacional no Brasil? In: CARRIERI, A. P; SARAIVA, L. A. S. (Org.). Simbolismo organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007.

SERVA, M.; JAIME JUNIOR, P. Observação participante pesquisa em administração: uma postura antropológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 64-79, jun. 1995.

SOUSA, A. M. A feira livre na Cohab: contatos iniciais com a realidade da feira do produtor rural em São Luís. In: FERRETTI, S. (Org.). Reeducando o olhar: estudos sobre feiras e mercados. São Luis, Maranhão: Edições Universidade Federal do Maranhão/Proin-CS, 2000. p. 67-96.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1997.

VEYNE, P. Como se escreve a História. Lisboa: Edições 70, 2008.

VITÓRIA (município). Prefeitura Municipal: Atrativos contemporâneos. Vitória: 2013a. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2014.

______. Prefeitura Municipal: Secretaria de Comunicação. Vitória: 2013b. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2014.

______. Prefeitura Municipal: Secretaria de Turismo, Trabalho e Renda. Vitória: 2013c. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2014.

______. Vitória em dados. Secretaria de Gestão Estratégica / Gerência de Informações Municipais. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015.

YANOW, D. Organizational ethnography between toolbox and world-making. Journal of Organizational Ethnography, v. 1, n. 1, p. 31-42, 2012.

YBEMA, S. The Invention of Transitions: History as a Symbolic Site for Discursive Struggles over Organizational Change. Organization, v. 21, n. 4, p. 495-513, 2014.