O Mercado Cultural e o Protagonismo Feminino: A Música da Jovem Guarda

Marcelo Dantas, Marilda Santanna

Resumo


O movimento musical da Jovem Guarda, surgido nos anos 1960, teve grande impacto na modernização do mercado musical brasileiro, influenciando o consumo cultural e o comportamento. Este estudo analisa uma de suas características fundamentais: o protagonismo feminino nesse mercado, o qual influenciou as mulheres brasileiras na revolução dos costumes. A partir do sucesso de artistas como Wanderléa, Martinha, Rosemary, Elizabeth, Vanusa - e da influência de sua imagem e discurso nas mídias -, as mulheres jovens da época lideraram uma verdadeira revolução de comportamento no Brasil, quebrando o tabu da virgindade, adotando a pílula como método anticoncepcional, a moda como expressão de uma nova liberdade e a ambição profissional como novo horizonte de vida. A Jovem Guarda não assumia conotações ideológicas, mas sua influência foi fundamental na modernização da sociedade brasileira.


Palavras-chave


Identidade cultural; Cultura Brasileira; Mercado; Gestão Cultural

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILLAR, Antonio. Histórias da Jovem Guarda. São Paulo: Globo, 2005.

ALBIN, Ricardo Cravo. O livro de ouro da MPB: a história de nossa música popular de sua origem até hoje. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

ANAZ, Silvio. A importância da Jovem Guarda. Revista Superinteressante (Digital). 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2014.

ARAUJO, Paulo Cesar de. Roberto Carlos em Detalhes. São Paulo: Planeta, 2006.

BASSANEZI, Carla. Mulheres do Anos Dourados. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das Mulheres do Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

CARLOS, Erasmo. Minha fama de mau. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

CASTRO, Ruy. A Noite do Meu Bem. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CORTEZ, Afonso. Introdução. In: ALMEIDA, Luis Pinheiro de. Biografia do Ié-ié. Sintra: Documenta, 2014.

FAOUR, Rodrigo. História sexual da MPB: a evolução do amor e do sexo na canção brasileira. Rio de Janeiro: Record, 2006.

______. Ângela Maria – A eterna cantora do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Record, 2015.

GOFFMAN, Ken; JOY, Dan. A contracultura através dos tempos: do mito Prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

JUNIOR, Gonçalo. Liberdade cabeluda: o inusitado caráter político da contracultura brasileira. 2009. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2014.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru-SP: EDUSC, 2001.

LEMOS, Nina. Sem perder a ternura. Revista TPM (Digital), 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2014.

LIPOVETSKI, Gilles. O império do efêmero: a moda e seus destinos nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MONTEIRO, Denilson. Dez, nota dez! Eu sou Carlos Imperial. São Paulo: Editora Planeta, 2015.

MORIN, Edgar. Cultura de massa no século XX: o espírito do tempo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1969.

______. As estrelas: mito e sedução no cinema. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

PUGIALLI, Ricardo. Almanaque da Jovem Guarda. São Paulo: Ediouro, 2006. SANTANNA, Marilda. As donas do canto. Uma interpretação sociológica das estrelas-intérpretes no Carnaval de Salvador. Salvador: EDUFBA, 2009.

STEARNS, Peter N. História das relações de gênero. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

ZIMMERMANN, Maíra. Jovem Guarda: moda, música e juventude. São Paulo: Estação das Letras, FAPESP, 2013.