Gestão, Imaginário Social e Literatura

João Gualberto Moreira Vasconcellos

Resumo


Para entendermos o processo social-histórico que gerou a administração tal como a praticamos no Brasil, é fundamental recorrermos a um universo conceitual que nos permita aprofundar questões e visitar o passado de forma densa. O conceito de Imaginário Social (CASTORIADIS, 1982) aplicado à construção da sociedade brasileira permite-nos perceber toda uma rede de Significações Imaginárias Sociais, as quais dão vida e coesão às nossas práticas sociais. Afinal, é a partir deste conceito que podemos compreender a formação dos atores sociais que dão significado ao trabalho e a sua gestão entre nós. Dentre estes atores, certamente, o chamado Coronel funcionou como uma espécie de Mestre da Significação (VASCONCELLOS, 1995). Organizou as várias instituições imaginárias que compõem o poder no Brasil e a todos submeteu com o seu jugo. Tão forte são suas raízes que sua herança ainda é muito clara no mundo das organizações brasileiras. Afinal ele as instituiu. Para compreender este universo, recorremos à literatura, mais especificamente ao romance regional brasileiro, através de quatro grandes autores: Jorge Amado, Érico Veríssimo, Wilson Lins e José Lins do Rego. Seus romances permitem-nos compreender nosso processo social-histórico na produção social dos indivíduos, dentro de nosso Imaginário. A utilização da literatura como elemento esclarecedor do imaginário social brasileiro apoia-se nos estudos de autores como Bárbara Czarniawska (1994), os quais apontam na direção dos trabalhos qualitativos ancorados na literatura como instrumento analítico poderoso.

Palavras-chave


Imaginário Social; Literatura; Representações; Gestão Brasileira; Castoriadis

Texto completo:

PDF