A Problemática das Águas em Salvador: Crise, Conflitos e Desafios

Maria Elisabete Pereira Santos, José Antõnio Gomes de Pinho, Renata Rossi, Rosely Sampaio

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir a problemática das águas em Salvador a partir dos conceitos de sociometabolismo do capital e de economia rentista e afirma a tese de que o seu comprometimento resulta da conjugação entre pobreza, acesso estratificado aos serviços de saneamento, ação predatória de grupos econômicos (que têm na terra urbana seu objeto de acumulação) e a captura do poder público municipal por interesses especulativos.  A despeito do avanço na democratização da res publica e da universalização do acesso a serviços de consumo coletivo, o aprofundamento da problemática das águas em cidades como Salvador, resulta da forma subordinada como a cidade se insere no atual processo de flexibilização produtiva e, adicionalmente, pela peculiar forma de reprodução sociometabólica do capital em contextos nos quais forças políticas tradicionalmente situadas no campo de oposição dão continuidade a projetos de desenvolvimento que aprofundam a segregação sócioespacial e a degradação ambiental. As principais fontes de dados utilizadas são os dados secundários da PED, Pnad, Censo de 2010 e primários do Caminho das Águas em Salvador e as referências teóricas são Mészáros, Paulani e Maricato, dentre outros, autores que contribuem para a compreensão da complexa relação entre a cidade e as águas.

Palavras-chave


Águas; Sociometabolismo do Capital; Política Urbano-Ambiental.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/23172428rigs.v1i1.10196