A eficiência do financiamento à inovação no Brasil: uma análise dos dados da Pintec de 2000 a 2014

João Carlos Frota Figueiredo Jr., Ricardo André da Costa

Resumo


Na busca do desenvolvimento econômico e pela melhor alocação de recursos, este trabalho buscou analisar a estrutura de atividade inovativa do Brasil, bem como verificar sua eficácia. Ao passo que essas informações são essenciais para escolher as melhores políticas e medidas. Para isso foi utilizado o método de Análise Envoltória de Dados (DEA), que encontrou a fronteira de eficiência dos estados analisados no sentido de promover inovação. A base de dados utilizada foi a Pesquisa de Inovação (PINTEC), por ter ampla informação e variáveis pertinentes acerca de inovação, para os estados mais relevantes do Brasil. Buscou-se os estados mais eficientes, de modo que esses possam servir de referência (benchmark) para outros estados com características semelhantes. Os resultados mostram que São Paulo, Pernambuco e Rio de Janeiro são os estados mais eficientes do Brasil de acordo com os modelos DEA propostos. Dentre os fatores que influenciam a inovação, destaca-se a média dos gastos com P&D, porcentagem das empresas que inovam e recebem ajuda do governo, média de inovação em cooperação com outras empresas ou organizações e média de empresas que inovam produtos e processos. Finalmente, a partir dos problemas encontrados, propõe-se possíveis sugestões de ações que possam ser feitas para a trajetória do SNI brasileiro.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/rene.v13i2.37026