Quem tem medo de crianças queer? Alguns questionamentos às normatividades em psicanálise

Léo Tietboehl, Rafael Cavalheiro, Daniel Kveller

Resumo


O presente artigo visa analisar o papel específico da psicanálise no contexto deste dossiê, que propõe pensar as possibilidades de subversão e tensionamento frente às tentativas de normalização da sexualidade em âmbito escolar. Questionamos: como a prática psicanalítica pode subverter as demandas biopolíticas pelas quais é convocada a operar? O que é necessário para que a psicanálise não reproduza uma norma e não se converta em um método prescritivo de gênero? Iniciaremos descrevendo alguns debates em espaços de formação para pensar as limitações do corpo teórico psicanalítico e das leituras que se produzem hoje a partir deste. Em seguida, discutiremos as questões teóricas pertinentes à relação entre clínica e normatividade, tomando como eixo de articulação as reflexões sobre a patoanálise e a psicogênese e sobre o desejo. Por fim, buscaremos mostrar que tais perspectivas servem de aporte para pensarmos também algumas discussões sobre a relação entre arte, censura e infância que recentemente ganharam atenção da mídia e da população brasileira.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i9.25786