Notas sobre o espalhamento da criança viada na cultura pop digital brasileira

Christian Gonzatti, Felipe Viero Kolinski Machado

Resumo


O objetivo central do presente texto é, a partir de múltiplos casos então expostos e discutidos, estabelecer uma reflexão que, ancorada nos estudos de gênero e de sexualidade, na teoria queer, em proposições sobre espalhamento em redes digitais, cultural pop brasileira nos permita, como bichas intelectuais, problematizar as disputas materiais e simbólicas que constituem vidas e delimitam pesos de corpos de diversas e plurais crianças viadas. A primeira do texto discute noções da performatividade de gênero e cultura pop que perpassam as visibilidades das crianças viadas em redes de sociabilidade, contextualizando, também, a nossa posição subjetiva e afetiva nesses processos. A segunda discute os preceitos da espalhabilidade de conteúdos na cultura digital, entendendo como as viadices podem se configurar em signos espalháveis. No terceiro item, debatemos como a cultura pop digital brasileira é engendrada por questões de gênero e sexualidade. Por fim, após apresentar e tensionar os casos, sinalizamos aspectos normativos e de resistência no espalhamento pop de crianças viadas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i9.25731