Crianças e infâncias (im)possíveis na escola: dissidências em debate

Dilton Ribeiro Couto Junior, Fernando Pocahy, Maria Luiza Magalhães Bastos Oswald

Resumo


A proposta desse texto é discutir a criança e as infâncias em suas posições dissidentes, centralizando os esforços reflexivos em torno das experiências sociais de sujeitos que construíram trajetórias marcadas por movimentos e posições de dissidência. O texto é enredado por rememorações de infâncias de jovens autodeclaradxs não-heterossexuais que participaram de trabalho de campo de pesquisa de doutorado recentemente concluída. Articulado com o campo das infâncias e dos estudos de gênero e sexualidade, o trabalho promove interlocuções teórico-metodológicas que permitem acompanhar posições de sujeito, trânsitos, interpelações das (cis)heteronormas. Isso permitiu-nos (re)discutir o papel social da escola frente à educação daquelas crianças que, colocadas na condição de “estranhas” e “diferentes”, levam o desconforto a muitos espaços institucionais e às políticas educacionais, virando de ponta-cabeça o currículo. Esse desconforto, no entanto, é imprescindível para que brechas sejam abertas e favoreçam o ato de (re)pensarmos as experiências infantis em suas posições dissidentes.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i9.25716