Dinâmica do preconceito por gênero e sexualidades no cotidiano escolar: os limites da democracia liberal

Marco Aurélio Máximo Prado, Juliana Batista Diniz Valério

Resumo


O texto se propõe a discorrer sobre três questões centrais: os limites impostos ao exercício de se pensar a sexualidade nas escolas, a constatação de que os temas relacionados à sexualidade interpelam as instituições de ensino e o desafio de se construir estratégias que se contraponham a essas barreiras. Em diálogo com uma pesquisa que investigou o fenômeno da homofobia no cotidiano escolar, buscou-se refletir acerca dos questionamentos citados. A partir da análise de cenas do cotidiano escolar, objetivou-se demonstrar que o preconceito homofóbico desenvolve uma dinâmica capaz de invisibilizá-lo por meio de seus próprios atos e que as ações que visam o combate a homofobia precisam problematizar os limites da democracia liberal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i10.25699

Rev. Peri. Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2358-0844

  

 

 

Este periódico está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional