Bixa também pixa: a pixação gay nos banheiros masculinos como uma contestação do espaço heteronormativo

Vinicius Santos Almeida

Resumo


Neste artigo, analisamos as inscrições nas paredes de cabines de banheiros públicos masculinos, que chamamos aqui de pixo. Em um primeiro momento, apresentamos um breve histórico da pixação e do grafite e o trabalho de artistas gays nesse meio. Em seguida, discutimos a arquitetura do banheiro público para apreender seus significados. A partir disso, discutimos o sexo entre homens que ocorre nos banheiros públicos, conhecido como ‘banheirão’. Por fim, analisamos as pixações fotografadas entre os meses de janeiro e outubro de 2017 em banheiros públicos masculinos de São Paulo. Concluímos que, apesar de o banheiro público ser uma ferramenta de regulação e vigilância do gênero e da sexualidade, as pixações com conteúdo gay são produtoras de um discurso e uma materialidade que desafia a premissa heterossexual desse espaço. Assim como os pixos, o sexo entre homens no banheiro é uma transgressão desse espaço regulador e produtor de identidades.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i10.25282

Rev. Peri. Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2358-0844

  

 

 

Este periódico está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional