Entre o Diabo e Diadorim: psicanálise e gênero em Grande sertão: veredas

Vinícius Moreira Lima

Resumo


Neste trabalho, partimos das duas questões que assolam o narrador Riobaldo, em Grande sertão: veredas, isto é, a existência do Diabo e o amor por seu amigo Diadorim, para discutir como o pulsional e a presença do inconsciente, ao dividirem o sujeito, promovem uma espécie de despossessão identitária, um descentramento em relação às formas narrativas do eu. A partir disso, fomos levados a confrontar os sofrimentos de determinação excessiva — a que Riobaldo se prende — com as experiências produtivas de indeterminação, que Diadorim personifica, ao operar como causa de desejo para o narrador, fazendo vacilar sua gramática identitária habitual em meio ao regime de heterossexualidade compulsória da jagunçagem. Assinalamos na direção de algo do pulsional que aponta para um fundo de indeterminação a corroer as tentativas de determinação normativa de identidades.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i10.22948

Rev. Peri. Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2358-0844

  

 

 

Este periódico está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional