Exercendo a “crítica lesbofálica” às demandas por uma “cidadania LGBT” no contexto brasileiro (2003-2016)

Bruna Andrade Irineu

Resumo


Este texto busca refletir sobre as demandas por “cidadania LGBT” (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) no Brasil durante a gestão federal do Partido dos Trabalhadores (PT). Além disso, o mesmo propõe a ampliação dessa compreensão de cidadania agenciada na arena pública pelo ativismo LGBT a partir do que denominamos “crítica lesbofálica” à concepção hegemônica de cidadania. Exercer nossa crítica lesbofálica é desterritorializar a cena nos jogos de poder que incidem sobre esfera pública. A memória do governo Lula enquanto “pioneiro” na propositura de ações à população LGBT se contrasta ao período da gestão Dilma Rousseff na presidência da República. Nesse contexto, observou-se que o termo “tripé da cidadania LGBT” circulou com centralidade nas negociações entre a militância e o poder público. Esse tripé consistiria na existência de um plano de política pública LGBT, um órgão para gestão da política LGBT e um conselho para o monitoramento das ações dessa política. A relação entre Estado e sociedade civil, no que tange as demandas LGBT nesse período recortado, vão tergiversar entre ambivalência do “desejo” da existência desse tripé, ainda que nos moldes “para inglês ver”, e o impasse nas negociações com grupos religiosos, também integrantes da base de conciliação do governo PT, frente as pautas prioritárias do segmento. Evidencia-se que os discursos do governo e do ativismo se alteram circunstancialmente em relação a essa dinâmica ambígua e contraditória, ora na acusação e ora na defesa do governo (pelo ativismo) e das pautas do movimento (pela gestão PT).

Texto completo:

PDF