Numa luta marginalizada não cabe uma atuação tradicional: a Caminhada das Lésbicas e Bissexuais de Belo Horizonte

Thaís dos Santos Choucair, Paula Cunha Lopes

Resumo


A Caminhada das Lésbicas e Bissexuais de Belo Horizonte ganhou notoriedade em 2016 por desenvolver uma série de atividades culturais, artísticas e de sociabilidade voltadas exclusivamente para mulheres lésbicas e bissexuais. Investigamos, neste artigo, a atuação do grupo a partir das teorias lésbicas e de gênero colocadas em um panorama histórico (RICH, 1980; WITTIG, 1992; 1993; BUTLER, 2005; FALQUET, 2002; SWAIN, 2015), além de outras perspectivas teóricas que dissertam sobre a atuação cotidiana e criativa dos sujeitos (DE CERTEAU, 2012; RANCIERE, 2005) como forma de participação política e resistência. Como metodologia, realizamos entrevistas semi-estruturadas com quatro participantes e organizadoras do grupo, além da observação dos posts na página do Facebook da Caminhada e dos eventos criados. Descrevemos as principais atividades realizadas por essas mulheres, evidenciando e problematizando algumas questões à luz das teorias utilizadas. Concluímos, entre outros aspectos, a relevância dessas ações cotidianas como forma de luta pela visibilidade e por direitos, além do caráter criativo das formas de ocupação da cidade, que fugiam do modelo tradicional e masculino de política e possibilitaram a formação de laços entre as mulheres lésbicas e bissexuais.

Texto completo:

PDF