A psicanálise é cisnormativa? Palavra política, ética da fala e a questão do patológico

Pedro Ambra

Resumo


O artigo tem por objetivo discutir o estatuto dado pela psicanálise a experiências de gênero não inteligíveis, demonstrando que, ao considerar o inconsciente, a relação entre sexo e gênero mostra-se necessariamente refratária a qualquer tipo de normatividade. A partir da reconstrução da história política do termo heterossexual, apresentaremos uma analogia ao tipo de mecanismo crítico em jogo na utilização do termo cisgênero. Após uma discussão sobre o lugar da retórica da subversão dentro da comunidade psicanalítica, sublinharemos como a clínica promove a passagem a uma ética da fala, na qual os apegos identitários normativos são postos em questão. Ao prescindir da oposição corrente entre o normal e o patológico, a psicanálise questiona a dicotomia entre trans e cis a partir da ideia de que a inadequação a um corpo sexuado é constitutiva de todos os seres falantes.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i5.17179

Rev. Peri. Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2358-0844 | Ano de criação: 2013 | Área do conhecimento: Interdisciplinar| Qualis: B2 

  

 

 

Este periódico está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional