Avaliação de Atividades no Terceiro Setor de Belo Horizonte: da racionalidade subjacente às influências institucionais

Carlos Eduardo Guerra Silva, Afrânio Carvalho Aguiar

Resumo


Com este estudo objetiva-se identificar influências do ambiente institucional sobre a prática de avaliação de atividades das organizações do terceiro setor de Belo Horizonte (MG). São discutidas as bases de racionalidade, subjacentes a essas influências, que orientam o comportamento tanto dos agentes institucionais quanto o das organizações. Pondera-se que, em busca de legitimidade e aceitação social, as organizações estão sendo pressionadas a conformar suas estruturas em função desses agentes, que agem com uma racionalidade predominantemente instrumental. Destarte, as influências, segmentadas a partir de cada um dos agentes institucionais, assim se apresentaram nos testes estatísticos realizados: em relação à forma jurídica, as organizações que se estruturam como fundações apresentam maior probabilidade de avaliar seus resultados do que aquelas que se estruturam como associações. Os títulos e certificações não apresentaram influência sobre a avaliação de resultados. A influência tanto dos conselhos quanto dos financiadores mostrou-se significativa. Portanto, considera-se que o sucesso organizacional parece estar cada vez mais vinculado aos fatores que proporcionam o atendimento às muitas pressões e forças institucionais que cada vez exigem níveis mais elevados de desempenho organizacional.

Palavras-chave


Terceiro setor. Avaliação de atividades. Racionalidade. Teoria institucional.

Texto completo:

PDF


ISSN (Online) 1984-9230 - (Impresso) 1413-585X - Qualis CAPES A2