A auto-gestão de carreiras chega à escola de administração: o humano se tornou capital?

Isleide Arruda Fontenelle

Resumo


O objetivo deste artigo é tomar o modelo de auto-gestão de carreira como uma ilustração da teoria do capital humano, segundo a qual o trabalho é entendido em termos de “empreendimento individual”. Para elucidar tal paralelo, apresentar-se-á um estudo de caso que diz respeito à reformulação ocorrida, em 2004, no curso de especialização para graduados de uma das mais tradicionais escolas de Administração de São Paulo, que passou a inserir a disciplina “orientação de carreira” no currículo obrigatório do curso. Foram ouvidos coordenadores e professores, bem como alunos que já cursaram a disciplina, a fim de se verificar o por quê dessa reformulação e seus impactos nos alunos envolvidos. Buscou-se compreender até que ponto a reformulação visou atender a uma demanda de mercado para o modelo de “auto-gestão de carreira” e o quanto isso pode ilustrar a tese de que o humano se tornou capital.

Palavras-chave


auto-gestão de carreira ; capital humano ; ensino de administração

Texto completo:

PDF


ISSN (Online) 1984-9230 - (Impresso) 1413-585X - Qualis CAPES A2

Instagram: revistaoes  |  Facebook: oesrevista  |   Twiter: revistaoes