As Bancas de Especiarias do Mercado Público de Porto Alegre e suas Estratégias

Fabiana Böhm Gramkow, Neusa Rolita Cavedon

Resumo


O Mercado Público de Porto Alegre constitui-se em um "locus" onde os atos de compra e venda extrapolam a noção utilitária de suprimento e de rentabilidade, trata-se de um espaço onde as pessoas estabelecem relacionamentos afetivos. Ao comprar uma mercadoria no Mercado, o indivíduo leva agregado ao produto um diferencial que o faz sentir-se uma pessoa reconhecida, em seus gostos e preferências, pelos donos das Bancas de Especiarias e mesmo por seus funcionários. A troca de saberes através das receitas, representa o dom, cuja reciprocidade encontra-se na fidelidade cliente-permissionário. Esse universo requer por parte daqueles que administram as Bancas uma estratégia de gerenciamento e uma noção de competitividade muito peculiares. Tendo por método a etnografia, procuramos, à luz da noção de estratégia teorizada no campo da Administração, identificar como os permissionários articulam-se para fazer frente a um mundo em constante transformação, mas que ao mesmo tempo encontra-se atrelado a tradições que passam de pais para filhos. De maneira sintética concluímos que as Bancas de Especiarias apresentam um comportamento estratégico defensivo, com nuances analíticas e reativas.

Texto completo:

PDF


ISSN (Online) 1984-9230 - (Impresso) 1413-585X - Qualis CAPES A2