AS IMPLICAÇÕES TEÓRICAS DOS ARQUIVOS PESSOAIS: elementos conceituais

Thiago Henrique Bragato Barros

Resumo


Este artigo busca compreender como se constituem os arquivos pessoais e quais são suas características primordiais baseando-se em uma instituição coletora desse tipo de acervo, o IEB-USP (Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo). Através desta instituição e da teoria arquivística são discutidos, aqui, divergências e semelhanças entre os arquivos orgânicos e os arquivos pessoais percebendo o valor intrínseco estabelecido nos documentos pessoais e como é estabelecida sua institucionalização, uma vez que esta perpassa diretamente a atribuição de um valor atribuído e determinado, relacionando-se com a obra e a vida de determinada figura pública ou artística. Este valor também está relacionado à memória coletiva e ao legado deixado por essas figuras esteticamente, historicamente ou socialmente compreendia pela sociedade como importante. Como conclusão, destaca-se a aproximação da Arquivística às outras áreas como a Ciência da Informação e Biblioteconomia, por meio dos princípios e das metodologias de organização aplicados aos arquivos pessoais.

Palavras-chave


Arquivo Pessoal; Arquivo Orgânico; IEB-USP; Memória Coletiva; Legado; Arquivística

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1981-6766rpa.v5i1.4868

PontodeAcesso. ISSN: 1981-6766