Construindo uma análise semiótica em Desconstruindo Amélia

Clériston Jesus da Cruz, Denise Silva Bitencourt, Camila Leite Oliver Carneiro

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a letra da música Desconstruindo Amélia composta por Pitty e Martin Mendonça, a partir da semiótica greimasiana, que caracteriza o exercício de construção de sentido em um percurso gerativo, o qual se compõe em três níveis: fundamental, narrativo e discursivo. A letra, apesar de ser uma narrativa curta, é dotada de discursos que oportunizam a leitura de valores referentes à mulher, que busca libertar-se de uma sociedade originalmente repressiva.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do Texto. São Paulo: Ática, 2005.

________. Teoria do Discurso: fundamentos semióticos. 3.ed. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP, 2002.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: fatos e Mitos. Obra digitalizada, 4ª ed. SP: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BELTRÁN, Alina Barojas. Cidadania e Feminismo: feminismo e teoria, identidade pública/privada. São Paulo: Cia. Melhoramentos, [s.d.].

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. 14, ed. São Paulo: Contexto, 2006.

GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das Paixões. Editora Ática, 1993.

GREIMAS, A. J; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. São Paulo: Cultrix, 1979.

HALL, Stuart. A identidade em questão. In: A identidade cultural na pós-modernidade.

Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro – 11. Ed. RJ: DP&A, 2006, p. 07-23.

OLIVER, Camila. Se tu falas muitas palavras sutis: A Teoria semiótica Greimasiana. In: Chico Buarque: o tempo, os temas e as figuras. Curitiba: Appris, 2013, p. 89-141.

PITTY. Entrevista concedida ao programa Ensaio. 21 nov. 2009. TV Cultura. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 Abr. 2016.

PITTY; MENDONÇA, Martin. Desconstruindo Amélia. In: Chiaroscuro. Faixa 7. Prod. Rafael Ramos. São Paulo: Deckdisc, 2009.

TELLES, Lygia Fagundes. Mulher, Mulheres. In: PRIORE, Mary Del. (org.) História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2009, p. 669-672.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.