Germanismos e a contribuição para a antroponímia brasileira

Letícia Santos Rodrigues, Juliana Soledade Barbosa Coelho

Resumo


Muitos dos registros de um povo, bem como sua cultura, sua organização social e suas crenças podem ser observados na escolha dos nomes próprios, prática antiquíssima e que, em face desses aspectos, merece a atenção da linguística e dos seus estudiosos. Neste artigo, busca-se aliar pesquisas em morfologia, sob perspectiva da morfologia construcional, ao estudo da onomástica – ciência que se dedica a investigar as origens e os processos que formam os nomes próprios. Esta pesquisa se dedica, mais particularmente, aos nomes de pessoas, ramo denominado de antroponímia. A escolha de um antropônimo não é desmotivada e pode obedecer a aspectos como o fonético, etimológico, semântico e/ou, ainda, atender ao desejo da unicidade, fator primordial para criação de neologismos antroponímicos. Nesta investigação, buscou-se observar a utilização de morfemas germânicos na construção de antropônimos neológicos devido ao fator histórico da ocupação da Península Ibérica por povos germânicos, que trouxe reflexos para o sistema antroponímico do Brasil, país de colonização portuguesa. Algumas análises foram feitas a partir do mesmo corpus utilizado no projeto “Todos os nomes”, (entre 2007 e 2009), no âmbito do Programa para a História da Língua Portuguesa (PROHPOR). O estudo em questão sugere que os neologismos antroponímicos criados no Brasil têm por base o modelo morfolexical dos nomes próprios germânicos que foi herdado através da colonização portuguesa.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ariadne; LOBO, Tânia; SOLEDADE, Juliana. Projeto Todos os nomes: análise sócio-histórica, mórfico-semântica e etimológica da antroponímia baiana. Salvador: UFBA, 2003.

ALVES, Maria Ieda. Neologismo: criação lexical. São Paulo: Ática, 1990.

AMARAL, Eduardo Tadeu Roque. Contribuições para uma tipologia de antropônimos do português brasileiro. Alfa: revista de linguística, São Paulo, v. 55, n. 2, p. 63-82, 2011.

BASILIO, Margarida. Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

BRASIL. Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973. Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1973. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2015.

BRASIL. Lei n° 9.708, de 18 de novembro de 1998. Altera o art. 58 da Lei no 6.015, de 31 de dezembro de 1973, que dispõe sobre Registros Públicos, para possibilitar a substituição do prenome por apelidos públicos notórios., Brasília, DF, 19 nov. 1998. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2015.

BOOIJ, Geert. Compounding and derivation: evidence for construction morphology. In: DRESSLER, Wolfgang U. et al. (Ed.). Morphology and its demarcations. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2005. p. 109-131.

CARVALHINHOS, Patrícia de Jesus. As origens dos nomes de pessoas. Revista Álvares Penteado, São Paulo, v. 2, n. 5, p. 1-18, 2007.

CASTRO, Ivo. A atribuição do nome próprio no espaço luso-brasileiro: dados paulistas. In: BOULLÓN AGRELO, Ana Isabel; KREMER, Dieter. Novi te ex nomine: estudos filolóxicos oferecidos ao Prof. Dr. Dieter Kremer. [A Coruña]: Fundación Pedro Barrié de la Maza, 2004. p. 245-256.

CASTRO, Ivo. Curso de história da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, 1991. p. 145-151.

CORREIA, Margarita. Neologia em português. São Paulo: Parábola, 2012.

DIAS, Luciana. Aspectos da antroponímia no português arcaico. In: Novos tons de Rosa: ...para Rosa Virgínia Mattos e Silva. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 11-26.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e antroponímia no Brasil. 2. ed. São Paulo: Coletânea de Estudos, 1990.

GONÇALVES, Carlos Alexandre Victorio; ALMEIDA, Maria Lúcia Leitão de. Morfologia construcional: principais ideias, aplicação ao português e extensões necessárias. Alfa: revista de linguística, São Paulo, v. 58, n. 1, p. 165-193, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2015.

MACHADO, José Pedro. Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa: v. II. Lisboa: Horizonte/Confluência, 2003.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Germanismos e arabismos no período formativo da língua. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE ESTUDOSMEDIEVAIS DA ABREM, 5., 2003, Salvador. Anais... Salvador: ABREM/UFBA, 2003.

MEXIAS-SIMON, Maria Lúcia; OLIVEIRA, Aileda de Mattos. O nome do homem: reflexões em torno dos nomes próprios. Rio de Janeiro: H. P. Comunicação, 2004.

MONTEIRO, José Lemos. Morfologia portuguesa. 4. ed. Campinas: Pontes, 2002.

MOTA, Maria Alice. Formas de referenciação a pessoas: uma abordagem variacionista. 2013. 173 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minais Gerais, Belo Horizonte, 2013.

NASCENTES, Antenor. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1952.

PIEL, Joseph Maria. Origens e estruturação histórica do léxico português. In: PIEL, Joseph Maria. Estudos de linguística histórica galego-portuguesa. Lisboa: IN/CM, 1989. p. 9-17.

POSSIDÔNIO, Priscila Maria de Oliveira. A criação de nomes próprios no português brasileiro: aspectos mórficos da neologia antroponímica. In: SEMINÁRIO ESTUDANTIL DE PESQUISA, 2007, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2007. p. 1-11.

ROSA, Maria Carlota. Introdução à morfologia. São Paulo: Contexto, 2000.

SANDMANN, Antônio José. Morfologia geral. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1997.

SANDMANN, Antônio José. Morfologia lexical. São Paulo: Contexto, 1992.

SOLEDADE, Juliana. A antroponímia no português arcaico: aportes sobre a sufixação em nomes próprios personativos. In: LOBO, Tânia et al. (Org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 323-336.

SOLEDADE, Juliana. Germanismos antroponímicos do português: estudo morfológico. Apresentado no Congresso Internacional de Linguística Histórica – Homenagem a Rosa Virgínia Mattos e Silva. Salvador: UFBA; UEFS; UNEB, 26 a 29 de julho de 2009. (Mimeo).

SOLEDADE, Juliana; Lopes, Mailson. Uma proposta de revisão do conceito de morfema. In: ALMEIDA, Aurelina Ariadne Domingues; SANTOS, Elisângela Santana dos; SOLEDADE, Juliana. (Org). Palavrear: mundos, mentes e usos. Salvador: EDUFBA, [2015]. No prelo.

TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. Tradução de Celso Ferreira da Cunha. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

ULLMANN, Stephen. Semântica: uma introdução à ciência do significado. Tradução de J. A. Osório Mateus. 2. ed. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1967.

VIARO, Mário Eduardo. Etimologia. São Paulo: Contexto, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.