Olhar Estrangeiro e A pele que habito: o estereótipo como signo ideológico

Priscila Machado Barreto Santos, Adriana Pucci Penteado de Faria e Silva

Resumo


Neste artigo analiso discursos sobre o estereótipo do brasileiro que circulam no filme A pele que habito (2011), de Pedro Almodóvar. Para isso, tenho como base estudos discursivos, buscando construir hipóteses através do espaço, dos símbolos e da subjetividade que atravessam as personagens. Além disso, busco compor uma relação do enunciado em análise com o documentário de Lúcia Murat Olhar estrangeiro (2006) e a noção de comunidade imaginada pautada por Stuart Hall (1998). Para este trabalho, apresento a cena em que a personagem Zeca, um brasileiro, vestido de tigre, chega à casa do médico à procura da mãe. Isso posto, realizo uma análise por uma abordagem bakhtiniana, trazendo a teoria dialógica para compreender a arquitetônica das cenas em análise, tendo em vista pensar o enunciado concreto em diálogo com a alteridade que subverte o outro partindo do lugar responsivo irrepetível que cada um ocupa no mundo. Estes componentes que constroem a materialidade do enunciado são refratados pelos estilhaços culturais. A identidade segundo Hall é fragmentada, e uma análise dialógica de embates identitários põe em foco sobre caráter refratário, tendo em vista a refração como um processo de soma e absorção dos estilhaços culturais, seja de forma consciente, seja através dos diversos signos que nos atravessam. Desse modo, hipotetizo que a identidade se constrói a partir da alteridade, ou seja, o ser/sentir-se estranho tem como oposição o outro que regula, que determina, que normatiza.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. [1920-1924] Para uma filosofia do ato. Tradução para fins acadêmicos e didáticos, não publicada, de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza, da edição americana Towards a philosophy of the act. Transl. and notes by Vadim Liapunov. Austin: University of Texas Press, 1993.

BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, V. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2012. [original russo publicado em 1929].

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DOLCI, Maria Inês; FORNAZARO, Maria Inês. Cartilha da Copa 2014. Brasil, 2014.

ESTRANGEIRO, Olhar. Produção de Luís Vidal e Paola Abou-Ajoude. Argumento e direção de Lúcia Murat. Rio de Janeiro: Europa Filmes, 2008, (70min.). DVD, NTSC, color. Port. Legendado.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e a teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PELE que habito, A. Direção: Pedro Almodóvar. Paris Filmes. Espanha: 2011. LK TEL Distribuidora de filmes Ltda. DVD. 120min. Colorido.

SILVA, A.P.P.F. É já citação: Análise dialógica de uma obra de Cerith Wyn Evans. 2012. Anais eletrônicos. 1º encontro da imagem em discurso.

SILVA, A.P.P.F. Retratos dialógicos da clínica: um olhar discursivo sobre relatórios de atendimento psicopedagógico. 2010, 199 f. Tese. (Doutorado em Linguística aplicada e Estudos da linguagem) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.