LUTA DE CLASSES, TRABALHO DOCENTE E PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

José Luis Derisso

Resumo


Nosso objetivo de fundamentar a tese segundo a qual os embates pedagógicos constituem uma expressão da luta de classes na educação escolar nos remete à análise da influência das pedagogias do “aprender a aprender” na rede oficial de ensino do estado de São Paulo e o quanto tais pedagogias contribuem para descaracterizar o trabalho docente e a própria instituição escolar. Observamos que no caso em questão há uma imposição da orientação pedagógica que ocorre acompanhada de uma reestruturação político-administrativa que fortalece os mecanismos de coação e de mando na rede estadual de ensino, imposição esta que impacta negativamente as condições de trabalho e estimula a alienação do trabalho docente, favorecendo o crescimento de doenças profissionais. Ao identificar nas pedagogias do “aprender a aprender” o objetivo de adaptar os indivíduos à sociedade de classes, explicitamos os fundamentos teórico-metodológicos da pedagogia histórico-crítica como contraponto.


Palavras-chave


Pós-modernismo; pedagogia histórico-crítica; estado de São Paulo; educação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v5i2.9698

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.