CRISE, IMPERIALISMO E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DO CORPO NO INÍCIO DO SÉCULO XX: O GERAL E O ESPECÍFICO NA PROPOSIÇÃO ESCOTEIRA DE ROBERT BADEN-POWELL (1857-1941).

Carlos Herold Junior

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar a educação do corpo proposta pelo escotismo como um elemento pertencente à lógica imperialista do capitalismo no início do século XX. A partir de livros redigidos por Baden-Powell, elaboramos reflexões divididas em duas partes: na primeira, mostramos a importância da educação do corpo para os discursos pedagógicos que existiram nas primeiras décadas do século XX. Na segunda parte, investigamos o pensamento de Baden-Powell para mostrar que o escotismo, ao mesmo tempo, atingiu dois objetivos: 1)atuou sobre os limites educacionais especificamente ingleses e ligados à formação do cidadão capaz de sustentar o império britânico; 2) ao mesmo tempo em que ofereceu discursos e práticas formativas que valorizaram o corpo e sua educação. Por isso, o escotismo foi aceito por sociedades muitos diferentes entre si, mas que eram conectadas pelo mesmo processo: a expansão imperialista do capital.


Palavras-chave


escotismo; educação do corpo; imperialismo; história da educação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v5i1.9644

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.