A cisão pós-moderna de crise e revolução: algumas reflexões sobre Žižek e Negri

Irene Viparelli

Resumo


O presente trabalho visa dar um contributo sobre a problemática geral da retoma actual do marxismo: a partir da análise de duas posições teóricas – a de Žižek e a de Negri – que com estratégias muito diferentes procuram pôr o problema da “revolução na pós-modernidade”, tentar-se-á esclarecer quais são as consequências que se escondem na actual separação da questão da revolução da dinâmica do desenvolvimento e das crises do modo de produção capitalista. A hipótese que se tentará desenvolver é a de que dessa cisão entre objectividade e subjectividade, partilhada por Negri e Žižek, contem o perigo do “retorno” a uma teoria da revolução ao fundo pré-marxista, ou seja a reafirmação de uma relação de imanência-transcendência que afirma uma posição “teológica” da problemática da emancipação humana. Tanto a “plenitude ontológica” da subjectividade negriana como a “falta de plenitude ontológica” da subjectividade de Žižek reafirmam a exigência heideggeriana de onticização do ontológico que parece reproduzir em forma pós-moderna a exigência idealista jovem-hegeliana da realização historico-objetiva da essência racional subjectiva.

Palavras-chave


Pós-modernidade, ontologia, dialética, subjetividade, revolução.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v2i1.9606

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.