Concepção pedagógica oficial construtivista na rede estadual de ensino paulista

Ana Carolina Galvão Marsiglia, Newton Duarte

Resumo


O Estado de São Paulo é o principal centro mercantil, corporativo e financeiro brasileiro. A Secretaria de Estado da Educação de São Paulo (SEE) administra cerca de cinco milhões de alunos, 230 mil professores, 5.500 escolas. O número de alunos do Estado de São Paulo é maior que o da população de 15 estados brasileiros. Diante desses números verifica-se a importância de desvelar a política educacional na rede estadual de ensino de São Paulo, explicitando o construtivismo como um elemento estratégico dessa política. A SEE vem mantendo, desde 1983, portanto, há mais de vinte e cinco anos, o construtivismo como discurso pedagógico oficial e, ao mesmo tempo, como um dos pilares para a formatação de um modelo de escola em sintonia com as injunções neoliberais e pós-modernas por meio de dispositivos legais, produção e circulação de materiais distribuídos à rede de ensino. Esses mecanismos funcionam como interventores sobre a prática pedagógica e veiculam valores, teorias e ideologias, trazendo implicações que podem ser observadas no precário desempenho do alunado nos diferentes instrumentos de avaliação de aprendizagem. Assim, o percurso dessas publicações nos últimos 25 anos deve servir à análise das políticas públicas para a educação paulista e se prestar à denúncia das conseqüências da opção teórico-pedagógica da SEE: formação de baixa qualidade limitada à reprodução da divisão social do trabalho.

Palavras-chave


Construtivismo. Política Educacional. Secretaria de Estado da Educação de São Paulo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v2i2.9590

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.