Da Produção do Capitalismo no Campo em geral à Produção do Capitalismo no Campo Brasileiro: a experiência do Acampamento Carlos Marighela (MST/BA)

Antonio Leonan Alves Ferreira

Resumo


O presente artigo defende a tese de que a ocupação da terra apresenta-se como uma possibilidade histórica superadora da grande contradição que demarca o processo de produção do modo capitalista de produzir a vida, a saber: a expropriação do trabalhador do campo. Tem como eixo orientador a problemática acerca do processo de produção do capitalismo no campo em nível mais geral e no Brasil, suas determinações histórico-sociais, e os riscos do processo de institucionalização num nível particular e singular.  Para tanto, realiza uma análise sociológica do processo de produção do capitalismo no campo, reflete sobre a produção do capitalismo no campo no Brasil, e expõe os riscos, para os trabalhadores, da institucionalização da expropriação e resistência no âmbito das lutas sociais na atualidade.


Palavras-chave


Capitalismo no Campo; Ocupação da Terra; Instucionalização; Reprodução Social; MST

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v2i2.9589

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.