MARX e ENGELS: CRÍTICA DA EDUCAÇÃO E DO ENSINO

Roger Dangeville

Resumo


Todos os escritores comunistas e socialistas partiram desta dupla constatação: parece, por um lado, que os fatos retumbantes mais fecundos não produzem resultados brilhantes, e chegam a atingir a trivialidade e, por outro lado, todos os progressos do espírito foram, até aqui, progressos dirigidos contra a massa da humanidade que foi empurrada para uma situação cada vez mais desumana. Eles consideravam portanto, (como Fourier, por exemplo) o progresso como uma frase abstrata, despida de sentido, ou supunham (como Owen, entre outros) que o mundo civilizado sofria de um vício fundamental. A partir desta observação, submeteram as bases materiais da sociedade atual a uma crítica incisiva. A esta crítica comunista correspondeu imediatamente, no domínio prático, o movimento da grande massa, contra a qual se tinha até então desenvolvida a evolução histórica (Marx-Engels. A Santa Família. In: Werke, 2, p.88).

Palavras-chave


Marxismo e Educação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v3i2.9458

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.