MARXISMO, CAMPO E EDUCAÇÃO

Luiz Bezerra Neto, Jaqueline Daniela Basso

Resumo


A luta do homem do campo pelo acesso à terra nos é conhecida, contudo, neste trabalho nos dispomos a refletir sobre o processo histórico que culminou nesta situação, a partir de leituras marxistas. Desta maneira, relacionaremos o marxismo, campo e a educação enquanto aparelho ideológico em favor do Estado capitalista. Discutimos aqui o processo de acumulação primitiva, que expulsou o homem da terra o obrigando a vender sua força de trabalho nas grandes cidades industriais, gerando assim, uma nova ordem social imposta pelo capital. Para a manutenção desta ordem, a burguesia lançou e vem lançando mão de diversos artifícios, dentre eles leis que impediam, no período da acumulação primitiva, o retorno ao campo, leis trabalhistas, que foram e vem sendo modificadas no decorrer da história e que permanecem em vigência e a educação, que figura, até o presente momento, como aparelho ideológico do Estado que faz com os indivíduos vejam sua integração ao processo de exploração do capital como algo natural.

Palavras-chave


Marxismo; acumulação primitiva; educação do campo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v3i2.9451

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.