A secundarização da Educação Física na reforma do ensino médio

Gabriel Vielmo Gomes, Maristela da Silva Souza

Resumo


O presente estudo objetiva analisar os impactos da Lei 13.415 e da Base Nacional Comum Curricular para o ensino público da Cultura Corporal. Sob a luz do Materialismo Histórico Dialético, realizamos o diálogo entre a conjuntura política e educacional e a Educação Física, relacionando-as com a organização/reorganização do capital.  Constatamos que as reformas educacionais direcionam novamente a escola para atender as demandas do mercado produtivo, e coloca a Educação Física na área das Linguagens, que resulta na perda de sua verdadeira identidade e de seu verdadeiro objeto de estudo, a Cultura Corporal, alterando assim, seu papel pedagógico no ambiente escolar. 


Palavras-chave


Educação; Educação Física; Políticas Públicas; Reformas Educacionais;

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES R; PINTO G. A. A fábrica da educação: da especialização taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez, 2017.

BARBOSA, C. S. O novo ensino de tempo integral: reducionismo, privatização e mercantilização da educação pública em tempos de ultraconservadorismo. Revista Multidisciplinar de Ensino, Extensão e Cultura do Instituto de Aplicação Rodrigues da Silveira (CAp-UERJ), v. 8, n. 19, p. 94-107, set./dez. 2019.

BASSI, C. M. Implicações dos novos regimes fiscais no financiamento da educação pública. Textos para discussão/ Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada – Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 2018.

BASSO, D. J; NETO, L. B. As influências do neoliberalismo na educação brasileira: algumas considerações. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia do Campus Jataí –UFG, v.1, n.16, p. 1-15, jan./jun. 2014.

BELTRÃO, J. A. Novo ensino médio: rebaixamento da formação, o avanço da privatização e a necessidade de alternativa pedagógica crítica na educação física. 2019. 267p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

BERNARDI, L. M; UCZAK, Lucia Hugo; ROSSI, Alexandre José. Relações do movimento empresarial na política educacional brasileira: a discussão da Base Nacional Comum. Currículo sem Fronteiras, v.18, n.1, p. 29-51, jan./abr. 2018.

BIANCHETTI, R. G. Modelo Neoliberal e Políticas Educacionais. 3. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 95 de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 16 de dezembro de 2016. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=2&data=16/12/2016. Acesso em: 30 de Abril de 2019

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e 11.494, de 20 de junho de 2007, e a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. In: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 17 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=17/02/2017. Acesso em: 15 abril de 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é Base. MEC: Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 09 de agosto de 2019.

BRASIL. Novo Ensino Médio - perguntas e respostas. In.: Portal MEC: Brasília, S/D. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361. Acesso em: 15 de março de 2019.

BRASIL. Resolução Nº 3: Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. MEC: Brasília, 2018a. Disponível em: http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/dcnem.pdf. Acesso em: 30 de junho de 2019.

CAETANO, M. R. A educação no contexto de crise do capital e as relações entre estado, mercado e terceiro setor nas políticas educacionais. Laplage em Revista, Sorocaba, v.4, n.2, p. 153-168, mai./ago. 2018.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ANTUNES, R. (org.). A Dialética do trabalho. - São Paulo: Expressão Popular, 2004

FREITAS, L. C. A reforma educacional da educação: nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GENTILI, P. A. A. Adeus à escola pública a desordem neoliberal, a violência do mercado e o destino da educação das maiorias. In: GENTILI, P. A. A. (Org.) Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 303p.

LIMA, R. R. Para compreender a história da Educação Física. Educação e Fronteiras On-line, Dourados, MS, v.2, n.5, p. 149-159, mai./ago. 2012.

MARTINELI, T. A. P. et al. A Educação Física na BNCC: concepções e fundamentos políticos e pedagógicos. Motrivivência, v.28, n.48, p.76-95, set. 2016.

MARTINS, E. M. Movimento “todos pela educação”: um projeto de nação para a educação brasileira. 2013. 184p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

MARTINS, L. M. Da formação humana em Marx à crítica da pedagogia das competências. In: DUARTE, N. (Org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2004

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Trad. Florestan Fernandes. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MAUÉS, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, n.118, p. 89 – 117, mar. 2003.

MORAES, R. C. Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai? São Paulo: Editoria SENAC, 2001.

RODRIGUES, L. L; BRACHT, V. As culturas da Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. v.32, n.1, p. 93-107, set. 2010.

SAVIANI, D. Política educacional no Brasil após a ditadura militar. HISTEDBR On-line, Campinas, v.18, n.2, p.291-304, 2018.

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino de educação física. 4ª reimpr. da 2. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2012.

SOARES, C. L. Educação Física: raízes europeias e Brasil. 5. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SOUZA, M. S. Esporte Escolar: possibilidade superadora no plano da cultura corporal. São Paulo: Ícone Editora, 2009.

SOUZA, M. S; RAMOS, F. K. Educação Física e o Mundo do trabalho: um diálogo com a atual reforma do Ensino Médio. Motrivivência, Florianópolis, v. 29, n. 52, p. 71-86, set. 2017.

TODOS PELA EDUCAÇÂO. Quem Somos: Brasil, 2019. Disponível em: https://www.todospelaeducacao.org.br/pag/quem-somos/. Acesso em: 30 de abril de 2019.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: UNESCO, 1990. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000086291_por. Acesso em 20 de Julho de 2019.

UNESCO. Reforma da educação secundária: rumo à convergência entre a aquisição de conhecimento e o desenvolvimento de habilidade. Brasília: UNESCO, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v12i1.36056

Direitos autorais 2020 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.