Trabalho, educação e omnilateralidade: uma perspectiva contra-hegemônica na formação acadêmica

Maria do Socorro Smith Neves, Antonia Costa Andrade

Resumo


O presente artigo analisa as influências do mundo do trabalho reestruturado na formação acadêmica, que engendrou a reconfiguração da universidade para atender demandas mercantis. Os cursos têm por finalidade o desenvolvimento de competências que visam a formação de um trabalhador que se adapte à flexibilização do mundo do trabalho contemporâneo. Destes argumentos, aponta-se para a indissociável relação entre trabalho e educação para além da inserção profissional. Para tanto, foi desenvolvido um estudo bibliográfico com abordagem qualitativa. Os achados da pesquisa sinalizam para a relevância da omnilateralidade na construção de uma proposta de formação acadêmica contra-hegemônica nas universidades públicas.


Palavras-chave


Mundo do trabalho. Formação acadêmica. Omnilateralidade.El mundo del trabajo. Formación académica. Omnilaterality.World of work. Academic training. Omnilaterality.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Caio. Acerca da indissociabilidade entre as categorias trabalho e educação. Motrivivência, ano 22, n 35. p. 41-61, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/download/2175-8042.2010v22n35p41/18083. Acesso em: 13 set. 2018.

______. A escola do trabalho: formação humana em Marx. Campinas: Papel Social, 2018.

ANTUNES, Ricardo. A ontologia singularmente humana do trabalho. Motrivivência, ano 22, n. 35, p. 202-233, dez 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/download/2175-8042.2010v22n35p202/18092. Acesso em: 08 jan. 2019.

______. Adeus ao Trabalho? ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

ANTUNES, Ricardo; PINTO, Geraldo. A fábrica da educação: da especialização taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez, 2017.

APPLE, Michael. Para além da lógica do mercado. Compreendendo e opondo-se ao neoliberalismo. Tradução: Gilka leite Garcia e Luciana Ache. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

CHAUÍ, Marilena. A Universidade Pública sob Nova Perspectiva. Revista Brasileira de Educação. Conferência na 26ª reunião anual da ANPED, 5., 2003, Poços de Caldas, MG, 2003.

CHAVES, Vera Lúcia Jacob; REIS, Luiz Fernando; GUIMARÃES, André Rodrigues. Dívida pública e financiamento da Educação Superior no Brasil. Acta Scientiarum Education, v. 40, ano. 1, 2018. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/37668/21760. Acesso em: 8 jan. 2019.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Teoria e práxis e o antagonismo entre a formação politécnica e as relações sociais capitalistas. Trab. Educ. Saúde., Rio de Janeiro, v. 7, suplemento, p. 67-82, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v7s1/04.pdf. Acesso em: 8 jan. 2019.

MARX, Karl. Instruções para os Delegados do Conselho Geral Provisório. Tradução: José Barata-Moura. In: Obras escolhidas, v. II, 1985, p. 79-88.

______. Manuscritos econômicos-filosóficos. Tradução: Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. Crítica do programa de Gotha. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2012.

______. O Capital: crítica da economia política. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. Tradução: Álvaro Pina. São Paulo: Boitempo, 1999.

MÉSZÁROS, Istívan. A crise estrutural do capital. Tradução: Francisco Raul Cornejo...[et al.]. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. A montanha que devemos conquistar. Tradução: Maria Izabel Lagoa. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

SANTOS, Magda Gisela Cruz. A categoria de formação omnilateral em Marx e o trabalho enquanto princípio educativo, 2005. Disponível em: http://www.coral.ufsm.br/sifedocregional/images/Anais/Eixo05/magdagiselacruzdos santos.pdf. Acesso em: 23 jun. 2018.

SGUISSARDI, Valdemar. A universidade neoprofissional, heterônoma e competitiva. In: MANCEBO, Daise; FÁVERO, M. L. A. Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez, 2014.

______. Educação Superior no Brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, 2015.

SILVA JUNIOR, João dos Reis. The New Brazilian University: a busca por resultados comercializáveis. 1. ed. Bauru, São Paulo: Canal 6, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v11i2.29897

Direitos autorais 2019 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.