O golpe sobre o trabalho: retrocesso e desumanização

Saulo Rodrigues Carvalho

Resumo


Neste artigo analisamos os aspectos desumanizadores da Reforma Trabalhista, aprovada pelo governo de Michel Temer no ano de 2017. A partir das categorias Labor e Work (HELLER, 1998) apresentamos um debate sobre a contradição trabalho criador e trabalho alienação, destacando o processo de desumanização presente nas formas alienadas de trabalho. A Reforma Trabalhista por sua vez, apresenta um retrocesso na esfera trabalhista, restituindo à normalidade velhas formas de abuso da extração de mais-valia. As formas de intensificação e ampliação da jornada de trabalho se conformam, deste modo, como traços desumanizadores do trabalho, um estágio em que sua retração sobre os indivíduos não os permite reconhecerem sua humanidade e nem mesmo as características animais naturais podem ser reconstituídas. Por fim apontamos a luta pela redução da jornada de trabalho como particularidade da emancipação humana. O trabalho criador, o tempo livre e a sua apropriação qualitativa, por meio da educação e da cultura seriam de fato o caminho para a autorrealização (Selbstverwirklichung) dos indivíduos.


Palavras-chave


Reforma Trabalhista; Trabalho; Alienação; Emancipação Humana.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, R. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo, 2012.

BRASIL. LEI 13.467/2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília-DF, 2017.

BRASIL. LEI N° 13.415/2017. Diário Oficial da União. Ano CLIV N. 35, Brasília, 17 fevereiro de 2017b, Seção 1, p.1-3.

BRASIL. EMENDA CONSTITUCIONAL No 95. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília-DF, 2016.

HELLER, A. Sociologia de la vida cotidiana. Tradução para o espanhol: Enric Pérez Nadal. 5ªed. Barcelona: Penísula, 1998.

JORNAL VALOR ECONÔMICO. Retorno sobre patrimônio líquido de bancos subiu com Lula e caiu com Dilma. [on-line] 12 de setembro de 2014. Disponível em: Acesso em: 12 de maio de 2018.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. Trad. Nélio Schneider, Ivo Tonet e Ronaldo Vielmi Fortes. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. O Capital: o processo de produção do capital. Livro1. Volume I. 27ed. Trad.Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Livro III, vol. VI, 1971.

MARX, K. Manuscritos, economia y filosofia. 11ªed. Tradução para o espanhol: Francisco Rubio Llorente. Madrid: Alianza Editorial, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v11i2.29072

Direitos autorais 2019 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.