REFORMAS EDUCACIONAIS E POLÍTICAS CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA: prenúncios e evidências para uma resistência ativa

Jani Alves da Silva Moreira

Resumo


O presente texto refere-se a um ensaio crítico e contextualizado que aborda o contexto histórico, político e econômico aonde se delineiam e se ajustam as atuais reformas educacionais. O propósito é compreender as atuais reformas educacionais a fim de delinear as suas ameaças, evidenciar as constatações e destacar a necessária resistência ativa para o enfrentamento na construção das atuais políticas educacionais. Apresentam-se as proposições metodológicas à luz do Materialismo Histórico ao conceituar Homem, Educação, Política e Estado e Luta de Classes para então, assimilar a conjuntura histórica, política, econômica e social vigente, a fim de assentar o debate da reforma educacional e as políticas curriculares produzidas no tempo presente. Por conseguinte, elucida-se sobre os aspectos dessa reforma educacional a fim de respondermos o que representa e as implicações da aprovação de uma Base Nacional Comum Curricular para a Educação Básica (BNCC) em um contexto de crise política e econômica em iminência no país.

Palavras-chave


Reformas Educacionais; Políticas Educacionais; Políticas Curriculares; Resistência Ativa; BNCC

Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO EDUCATIVA. A implementação dos objetivos de desenvolvimento

sustentável no Brasil e os desafios das metas em educação. 2017.

ANTUNES, R. Da educação utilitária fordista à da multifuncionalidade liofilizada. Trabalho Encomendado GT11 - Política de Educação Superior. 38ª Reunião Nacional da ANPED. São Luis do Maranhão: UFMA, 2017. Disponível em < http://38reuniao.anped.org.br/programacao/2?field_prog_gt_target_id_entityreference_filter=14> Acesso em 14/06/2018.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Volume I. 2017. Disponível em < http://documents.worldbank.org/curated/en/884871511196609355/Volume-I-s%C3%ADntese> Acesso em 05 de julho de 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. 2017

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016

BRASIL. SENADO FEDERAL. Proposta de Emenda Constitucional nº 31/2016. Disponível em https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/126094 Acesso em 05.07.2018

BETTO, F. Meu fio de esperança. Correio da Cidadania. 30 de maio de 2016. Disponível em < http://www.correiocidadania.com.br/colunistas/frei-betto/11701-30-05-2016-meu-fio-de-esperanca> Acesso dem 04 de junho de 2018

BRECHT, B. Aos que vieram depois de nós. Carta Maior, 2005. Disponível em < https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Midia/Aos-que-virao-depois-de-nos/12/7490> Acesso em 05 de junho de 2018

CALEGARI-FALCO, A. M.; MOREIRA, J. A. da S. A gestão do trabalho pedagógico em espaços escolares e não escolares: um debate acerca da formação do pedagogo no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v.43, n.1, p. 256-273, jan./abr. 2017. Disponível em < http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/417/377> Acesso em 04 de junho de 2018.

CNTE. Reforma do Ensino Médio e BNCC. Cadernos de Educação. Ano XXII, N. 30, jan./jun. 2018.

CUNHA, L. A. A entronização do ensino religioso na base nacional curricular comum. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, nº. 134, p.266-284, jan.-mar., 2016

HOBSBAWM, E. J. A Revolução Francesa. Tradução de Maria Tereza Lopes Teixeira e Marcos Penchel. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1996.

KOIKE, B. Ensino básico atrai faculdades, fundos e até jogador de futebol. São Paulo: Jornal Valor Econômico. 11 de setembro de 2017. Disponível em https://www.valor.com.br/empresas/5113586/ensino-basico-atrai-faculdades-fundos-e-ate-jogador-de-futebol Acesso em 04.06.2018

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação e Sociedade. Campinas, v. 38, nº. 139, p.331-354, abr.-jun., 2017.

LÖWY, M. Da tragédia à farsa: o golpe de 2016 no Brasil. In: JINKINGS, Ivana; DORIA, Kim; CLETO, Murilo. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, p. 61-67, 2016.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. Trad. Jesus Raniere. São Paulo: Boitempo, 2004

MARX, K. Teses sobre Feuerbach. Obras escolhidas. V3, São Paulo: Alfa e Ômega, p. 208-210, 1835.

MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto do partido comunista. Obras escolhidas. V. 1. São Paulo: Alfa e Ômega, p. 21- 47, 1847.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Trad. José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. 5 ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

MENDES, L. A educação em tempos sombrios: perspectivas para a educação no governo Provisório de Temer. Blog do Pensar: 26.05.2016

MOREIRA, J. A. da S. Políticas de Financiamento e Gestão da Educação Básica (1990-2010): os casos Brasil e Portugal. Maringá: EDUEM, 2015.

OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terrenos de contestação. Porto: Porto Editora, 2001.

PMDB. Fundação Ulisses Guimarães. Uma ponte para o futuro. Brasília, 2015.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. A crise política no Brasil, o golpe e o papel da educação na resistência e na transformação. In: LUCENA, Carlos; PREVITALI, Fabiane Santana, LUCENA, Lurdes. A crise da democracia brasileira. Uberlândia: Editora Navegando, 2017.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Artes Médicas, 2000.

SENADO. Autorizado empréstimo para investimento no Programa do Novo Ensino Médio. 14/04/2018. Disponível em < https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/04/17/autorizado-emprestimo-para-investimento-no-programa-do-novo-ensino-medio> Acesso em 08 de julho de 2018.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SILVA, M. A. O Consenso de Washington e a privatização na educação brasileira. Revista da Faculdade de Educação Linhas Críticas – UNB. V.11, n.21, p. 255-264, 2015.

SOUZA, Â. R. Reformas educacionais: descentralização, gestão e autonomia escolar. Educar, Curitiba: Editora UFPR, n. 22, p. 17-49, 2003.

SOUZA, Â. R. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de estúdios teóricos y epistemológicos en política educativa. v. 1, n. 1, pp. 75-89. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i2.27355

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.