A Reificação das Relações Sociais: Fragmentação das Subjetividades no Processo de Produção e Reprodução do Capital

ANA PAULA MONTEIRO DE CARVALHO, JOSÉ DERIBALDO GOMES DOS SANTOS, Josefa Jackline Rabelo

Resumo


O objetivo do artigo é recuperar, dos escritos do jovem Lukács, a categoria da Reificação; forma mais desenvolvida de alienação. A categoria explica a capacidade da sociabilidade capitalista em apropriar-se das subjetividades, na evolução da produção e reprodução social, garantindo-lhe a paradoxal longevidade destrutiva. O objeto foi analisado a partir das premissas do método onto-histórico estruturado por Marx, que investiga a gênese e o desenvolvimento da sociedade que reduziu o ser social ao movimento de produção das mercadorias. A investigação aponta para processos reificadores que dificultam a apreensão da totalidade, imprescindível para a autoconsciência do ser social como produtor de sua realidade.


Palavras-chave


Alienação; Reificação; Totalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Martins Fontes, 2003.

______. Para uma ontologia do ser social I. Tradução de Carlos Nelson Coutinho, Mario Duayer, Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2012.

______. Para uma ontologia do ser social II. Tradução de Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2013.

NETTO, José Paulo. Capitalismo e Reificação. São Paulo: Ciências Humanas, 1981.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i3.26741

Direitos autorais 2019 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.