CRÍTICA DO IMPERIALISMO E DA REFORMA CURRICULAR BRASILEIRA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: EVIDÊNCIA HISTÓRICA DA IMPOSSIBILIDADE DA LUTA PELA EMANCIPAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA DESDE A ESCOLA DO ESTADO

Rosa Maria Correa das Neves, Cláudia Lino Piccinini

Resumo


A publicação da Base Nacional Comum Curricular que pretende alcançar a educação básica brasileira é parte de reformas contemporâneas que expressam interesses e modo de ação de monopólios brasileiros. Esse evento contribui para desnudar o equívoco teórico e prático que reivindica a escola nacional do Estado burguês como disputável, pela via democrática, numa direção emancipadora da classe trabalhadora, no sentido marxista do termo, ou seja, revolucionária. A investigação específica que fundamenta nossa análise sobre a BNCC iniciou em 2015, com a coleção de posições, através da qual concluímos que seu autor tem sido o Movimento Pela Base, associação de grupos empresariais brasileiros cuja natureza somente pudemos decifrar, recorrendo a análise de Lênin, publicada em 1917, sobre o capitalismo, em sua fase contemporânea - Imperialismo, fase superior do capitalismo.

Palavras-chave


imperialismo, monopólio, escola do Estado, internacionalismo proletário

Texto completo:

PDF

Referências


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão. Brasília: MEC, 2017. Disponível em . Acesso em: 20 set. 2017.

CAVICCHIOLI. L’ottobre e il motore della guerra. Ottobre 1917; 100 anni, 100 militanti della revoluzione. Milano, Edizioni Lotta Comunista, 2017, p. 55-59.

CERVETTO, Arrigo. Lênin e a revolução chinesa. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2008.

FREITAS, Luiz C. de. MEC: travessia para nenhum lugar. Disponível em: . Acesso em: 10 jun.2016.

FUNDAÇÃO DOM CABRAL. Ranking das multinacionais brasileiras - 2017. Disponível em:< http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/negocios_internacionais/2017/Ranking_FDC_Multinacionais_2017.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2017.

FUNDAÇÃO LEMANN. Relatório Anual 2016. Disponível em: . Acesso em 17 mar. 2018.

HANDFAS, Anita. Uma leitura crítica das pesquisas sobre as mudanças nas condições capitalistas de produção e a educação do trabalhador. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006, 152p.

LA BARBERA, Guido. O lance iraniano da Turquia e do Brasil surpreende a velha ordem. In: A nova fase estratégica. Niterói: Edições Intervenção Comunista, 2015, p.141-145.

LA BARBERA, Guido. Lotta Comunista; il modello bolscevico, 1965-1995. Milano, Edizioni Lotta Comunista, 2015.

LÊNIN, V.L. (1916). O oportunismo e a falência da II Internacional. Disponível em: < https://www.marxists.org/portugues/Lênin/1916/01/falencia.htm>. Acesso em: 13 dez. 2017.

LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Lisboa: Edições Avante, 1975.

LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Disponível em: . Acesso em: 20 jan 2017.

LÊNIN, V.L. (1917b) Carta ao CC, ao CM, ao CP e aos Membros Bolcheviques dos Sovietes de Petrogrado e Moscovo. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2017.

LÊNIN, V.L. Sobre a importância do ouro agora e depois da vitória completa do socialismo. IN: CERVETTO, Arrigo. Lênin e a revolução chinesa. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2008. p.89-96.

LOTTA COMUNISTA. Ascensão do capital financeiro brasileiro. A ascensão do imperialismo brasileiro. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2011, p. 81-85.

MARTINS, Erika M. Todos pela Educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Lamparina, 2016.

MARX, Karl. Manifesto de lançamento da Associação Internacional dos Trabalhadores. In: MARX, K e ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo, Martins Claret, 2007.

PIMENTEL, Diego A.; AYMAR, Iñigo Macías; LAWSON, Max. Compensem o trabalho, não a riqueza. OXFAM Internacional, 2018. Disponível em:. Acesso em: 10 jan. 2018.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2009.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2013.

PORTUGAL, Adriana D. Considerações acerca da atual produção de conhecimento de inspiração marxista em Filosofia da Educação: uma perspectiva marxista. Rio de Janeiro: PROPED, UERJ (Dissertação de Mestrado), 2008, 111p.

RUDENKO, Gueorgui. O que é o imperialismo? IN: LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Lisboa: Edições Avante, 1975.

VALOR ECONÔMICO. Família mais rica do Brasil fez US$13 bilhões com o sonho do nióbio. Publicado em 13 de março de 2013. Disponível em: . Acesso em janeiro de 2015.

SANTOS, João Vitor. Em um Brasil sem diálogo, escola vira arena para disputas. IU-Online, Revista do Instituto Humanitas da UNISINOS, São Leopoldo, n.516. p. 23-29. Disponível em: . Acesso em dezembro de 2017.

WIZIACK, Julio e CARNEIRO, Mariana. China acelera plano de expansão no Brasil e na América Latina. Jornal Folha de São Paulo, 1 de fevereiro de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i1.26008

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.