DEMOCRACIA E EDUCAÇÃO: FLORESTAN FERNANDES EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA

Julio Hideyshi Okumura

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar o pensamento educacional de Florestan Fernandes, no movimento Em Defesa da Escola Pública ocorrido em 1960. Para compreendê-lo, elencamos três pontos: sociologicamente, influenciado por K. Mannheim, Florestan preconizava a aplicação da ciência na formação do cidadão democrático, participante de um momento de desenvolvimento industrial e tecnológico; pedagogicamente, o autor propunha que as relações entre professor e aluno fossem democráticas e em questões políticas, que a verba pública fosse destinada somente à escolar pública. A leitura do autor, mesmo ao passar de 60 anos, certamente nos oferecerá reflexões atualíssimas sobre a educação brasileira e seus dilemas.

Palavras-chave


O artigo tem como objetivo analisar o pensamento educacional de Florestan Fernandes, no movimento Em Defesa da Escola Pública ocorrido em 1960. Para compreendê-lo, elencamos três pontos: sociologicamente, influenciado por K. Mannheim, Florestan preconizav

Texto completo:

PDF

Referências


Citação direta

Eu nunca teria sido o sociólogo em que me converti sem o meu passado e a socialização pré e extraescolar que recebi, através de duras lições da vida. Portanto, [...] afirmo que iniciei a minha aprendizagem sociológica aos sei anos, quando precisei ganhar a vida como se fosse um adulto. (FERNANDES, 1994, p.123)

Referências

TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. Cia. Ed. Nacional, 1968.

ALGEBAILE, Eveline Bertino. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. FAPERJ, 2009.

CERQUEIRA, Laurez. Florestan Fernandes: vida e obra. Expressão Popular, 2004.

SOARES, Eliane Veras. Florestan Fernandes: o militante solitário. Cortez Editora, 1997.

FREITAG, Barbara. Florestan Fernandes por ele mesmo. Estudos Avançados, v. 10, n. 26, p. 129-172, 1996.

GARCIA, Sylvia. Destino ímpar. Destino ímpar, 2002.

MANNHEIM, Karl; WILLEMS, Emilio. Ideologia e utopia: introdução à sociologia do conhecimento. Globo, 1956.

MARQUES, L. R. Democracia radical e democracia participativa: contribuições teóricas à análise da democracia na educação. Educação e Sociedade. Campinas, v. 29, n. 102, p. 55-78, jan./abr. 2008. Disponível em

MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto. O governo João Goulart: as lutas sociais no Brasil (1961- 1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. Dominus editôra, 1966.

FERNANDES, Florestan. Circuito fechado: quatro ensaios sobre o “poder institucional". São Paulo: Hucitec, 1976.

FERNANDES, Floresta. Poder e contrapoder na América Latina. Zahar editores, 1981.

FERNANDES, Florestan. O desafio educacional. Cortez Editora, 1989.

FERNANDES, Florestan. Ciências Sociais: na ótica do intelectual militante. Estudos Avançados, v. 8, n. 22, p. 123-138, 1994.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Globo Livros, 2005.

FERNANDES, Florestan. A ciência aplicada e a educação como fatores de mudança cultural provocada. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 86, n. 212, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i2.25955

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.