REENTENDIMENTO: UMA CRÍTICA À ECONOMIA DO DISCURSO

Àlcio Crisóstomo Magalhães

Resumo


A vontade de um pós-conflito ideológico, não mais modulado por divergências entre capital e trabalho, mas pela auto-regulação, pela equidade e pela conversão da educação formal em indicador de desenvolvimento, foi o espectro da primeira década e meia do século XX. Todavia, no fechamento desse primeiro circuito, os determinantes político-econômicos e sociais começam a apontar para outro entendimento. Esse é o objeto de estudo desse trabalho. Desenvolvê-lo, por meio de uma revisão bibliográfica, do tipo análise histórico-cultural é o propósito da discussão que se apresenta a seguir. O estudo permite concluir que o atual momento de reestruturação capitalista aponta para um contrarreforma de classe que exige dos movimentos populares uma articulação em torno de uma ação de partido.

Palavras-chave


Educação. Hegemonia. Reformismo. Equidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez. 2005.

ANDERSON, Perry. Espectro. São Paulo: Boitempo, 2012.

CRUZ, José Adelson da. Educação, escola, sujeito político e domesticação da diferença. In CÔELHO, Ildeu Moreira. Escritos sobre o sentido da escola. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.

GAY, Peter. A educação dos sentidos: a experiência burguesa da rainha Vitória à Freud. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HOBSBAWN, Eric. Como mudar o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Educação Básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis: Vozes, 2000.

OXFAM. Relatório equilibre o jogo, 2014. Disponível em https://www.oxfam.org/sites/www.oxfam.org/files/file_attachments/cr-even-it-up-extreme-inequality-291014-summ-pt.pdf> Acesso em: 24 de out. 2017.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. Tempo Social – Rev. Sociol. USP. São Paulo, 2 (2): p. 7 a 33, 1990. .

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os Testes Padronizados e o Modelo de Mercado Ameaçam a Educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SILVA, Toma Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

____________________. A produção social da identidade e da diferença. Disponível em http://www.diversidadeducainfantil.org.br/PDF/A%20produ%C3%A7%C3%A3o%20social%20da%20identidade%20e%20da%20diferen%C3%A7a%20-20Tomaz%20Tadeu%20da%20Silva.pdf> Acesso em: 24 de out. 2017.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf>. Acesso em: 24 out. 2017.

UNESCO. Relatório Monitoramento Global EPT: Educação para Todos – 2000 – 2015, 2015. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002325/232565por.pdf>. Acesso em: 24 de out. 2017.

WILLIANS, Raymond. O campo e a cidade na história e na literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i2.25586

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.