A TEORIA DA EDUCAÇÃO NO PENSAMENTO DE JÜRGEN HABERMAS: O ECLIPSE DA RAZÃO E A EMANCIPAÇÃO COM SINAIS TROCADOS.

Marcelo Lira Silva

Resumo


Para compreender a teoria normativa de Habermas, torna-se de fundamental importância que se compreenda sua concepção de pragmática formal. No arcabouço teórico de Habermas, a concepção de pragmática formal fundamenta-se em um tipo particular de aspiração, a partir da qual se compreende que tanto as características linguísticas e semânticas das orações, quanto alguns traços pragmáticos de emissões, poderiam ser racionalmente reconstruídos. Neste sentido, o procedimento técnico-procedimental adotado por Habermas fora o de delinear com precisão o conjunto de preceitos necessários a um falante ideal, que ao dominá-los seria capaz de construir um conjunto de orações, bem como emiti-las, de tal forma a tornarem-se admissíveis a um ouvinte ideal. Ora, como as relações intersubjetivas se constituem e se desenvolvem entre falante e ouvinte ideais – no âmbito da metafísica e do em-si-mesmamento individual neoracionalista –, a competência comunicativa só poderia ser concebida enquanto forma conceitual, que passaria a ser reconstituída em bases racionais, de tal maneira a se impor de forma universal.


Palavras-chave


Jürgen Habermas; Sociologia da Educação; Filosofia da Educação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v10i2.21418

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.