CONTROLE OPERÁRIO E FORMAÇÃO DE TRABALHADORES NO CHÃO DA FÁBRICA

Jaqueline Rodrigues da Silva

Resumo


A presente pesquisa se lança no embate travado acerca do controle operário sobre a produção e seus processos educativos. Investigou-se a ocupação da fábrica da Flaskô na cidade de Sumaré - SP, no período de 2010-2011, buscando responder à seguinte pergunta: em que medida a Flaskô, fábrica ocupada sob controle operário contribui para o processo de formação de trabalhadores que, numa perspectiva gramsciana possam se tornar governantes de si, do seu trabalho e dos rumos da sociedade? Para tanto, utilizamos os fundamentos teórico-metodológicos do materialismo histórico dialético, tendo como categorias centrais do estudo a contradição e a práxis. Foram realizadas entrevistas e questionários com os trabalhadores no intuito de identificar as dimensões técnico-políticas e os processos de aprendizagem de novas relações sociais de produção, no sentido de apontar os avanços, limites e desafios do controle operário no atual estágio do modo capitalista. Chegamos a uma das conclusões que a fábrica ocupada sob Controle Operário permite, mesmo que de forma limitada, uma aproximação para uma formação omnilateral dos trabalhadores, possibilitando resgatar valores que a heterogestão capitalista foi/é capaz de expropriar dos trabalhadores.

Palavras-chave


Tradição Marxista; Sociologia da Educação; Marx

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.