FORMA ESCOLAR E COMPLEXOS DE ESTUDOS: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DAS ESCOLAS ITINERANTES DO MST

Sandra Luciana Dalmagro

Resumo


O artigo discute a mudança na forma escolar vigente a partir do experimento pedagógico que se desenvolve junto às Escolas Itinerantes ligadas ao Movimento Sem Terra, o qual tem por base a experiência educacional soviética. A pesquisa teve por base estudos bibliográficos em autores como Pistrak, Shulgin, Freitas, Saviani, Enguita e Manacorda, participação em encontros de planejamento e formação de professores e análise documental. As análises indicam que a transformação da forma escolar é um desafio colossal, porém iniciativas importantes emergem com destaque para a articulação entre trabalho e auto-organização e entre conteúdos e realidade. Identificamos que a proposta educacional do MST tem ganho maior consistência a partir do experimento, porém, transformações mais profundas e abrangentes demandam políticas públicas nesta direção, assim como o fortalecimento das organizações de trabalhadores que atuam para a superação da sociedade vigente e que articulam suas lutas à transformação do sistema educacional.


Palavras-chave


Escola; Movimento Sem Terra; Pedagogia Socialista; Forma escolar; Trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v8i2.16981

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.