A ABORDAGEM HISTÓRICO-CULTURAL NA CONTRAMÃO DA MEDICALIZAÇÃO: UMA CRÍTICA AO SUPOSTO TDAH

Maria Izabel Souza Ribeiro, Lygia de Sousa Viégas

Resumo


O presente artigo tece críticas à medicalização do fracasso escolar, tomando como foco o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Tal suposto transtorno será analisado à luz da abordagem histórico-cultural do desenvolvimento humano, adotando Vigotski como autor de base. Para tanto, inicia apresentando sua concepção de desenvolvimento humano, para, em seguida, abordar especificamente o desenvolvimento da atenção voluntária em sua teoria. Posto isso, é possível tecer críticas à medicalização da desatenção escolar, segundo a qual alunos que não prestam atenção na aula são portadores desse suposto transtorno orgânico. Espera-se, com o artigo, contribuir com a superação da medicalização da educação.


Palavras-chave


medicalização; TDAH; abordagem histórico-cultural; Vigotski.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v8i1.14867

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.