O MARXISMO HISTORICISTA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA): TEORIA E PRÁTICA

Fábio Fernandes Villela

Resumo


A formação de professores, na perspectiva do marxismo historicista, foi abordada em diversos trabalhos ao longo de nossa trajetória acadêmica (Autor, 2009; 2010-2012 e 2013-2015). No sentido de aprofundar a questão da formação de professores, analisaremos, neste texto, as possibilidades de superação da divisão do trabalho na escola através do trabalho coletivo, elemento fundamental para a organização do trabalho pedagógico e da didática. Para tal finalidade, abordaremos alguns elementos da formação dos bolsistas do Programa Unesp de Educação de Jovens e Adultos (Peja) de São José do Rio Preto (SP), em 2013-2014, que têm em perspectiva a didática para a pedagogia histórico-crítica desenvolvida por Gasparin (2013) e elaborada a partir de Saviani (1999), com vistas a discutir as interrelações entre a crítica à divisão do trabalho na escola e à inteligência coletiva, tendo como cenário os usos das novas tecnologias aplicadas à educação. Ao elaboramos a crítica à divisão do trabalho na escola, emerge a temática da gestão democrática na escola, especialmente na Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA).


Palavras-chave


Formação de Professores; Pedagogia Histórico-Crítica; Educação de Jovens, Adultos e Idosos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v7i2.13718

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.