UMA CIVILIZAÇÃO SEM ALMA? EDUCAÇÃO E REVOLUÇÃO PASSIVA.

Lucelma Silva Braga

Resumo


Este trabalho analisou o processo de consolidação da ordem burguesa, bem como as estratégias utilizadas pela burguesia para lograr sua hegemonia. A necessidade de compreensão do embate entre os projetos hegemônicos firmados no início do século passado, mantido no seu decorrer e reatualizado no início deste, requer, a mediação de algumas das reflexões feitas pelo pensador e militante marxista, Antonio Gramsci, que ao nosso ver, forneceu teorias e conceitos fundamentais para o seu desvendamento. Este corpo teórico nos permitirá avançar na compreensão de como os processos político e educacional se entrecruzam na formatação do corpo e da mente do trabalhador. Pretendeu-se analisar o processo que deu centralidade à classe burguesa no Brasil e as estratégias utilizadas pela burguesia industrial no período compreendido dos anos 30 aos anos 60. Tratou-se, portanto, do estudo da reconstrução da classe operária e para tal estudou-se o projeto político-pedagógico do SENAI e do SESI a partir das modificações educacionais levadas a efeito pelo IDORT e pelo movimento escolanovista. 


Palavras-chave


Hegemonia. Revolução Passiva. Educação. Política. Trabalhador. Capitalismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v6i2.13102

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.