TRABALHO DOCENTE CRÍTICO COMO DIMENSÃO DO PROJETO DE UNIVERSIDADE

Roberto Leher, Vania Cardoso da Motta

Resumo


O artigo analisa a heteronomia do trabalho acadêmico no Brasil, particularizando a educação superior pública. Discute o significado da ruptura do projeto nacional-desenvolvimentista pela irrupção do golpe empresarial-militar e o processo combinado de coerção (AI-5/1968 e Decreto 477/1969) e de subordinação da pesquisa e da pós-graduação ao capitalismo monopolista na contrarreforma de 1968, por meio de programas de fomento à ciência e tecnologia direcionados aos anseios das frações burguesas que sustentavam o regime. Frente aos processos de expropriação e de alienação do trabalho acadêmico na ditadura, o estudo examina a organização do movimento docente, as suas primeiras greves e a centralidade conferida a carreira no projeto de universidade da ANDES. Finalmente, apresenta como o aprofundamento ao capitalismo dependente nas três últimas décadas refuncionalizou a universidade pública e a educação superior privada, indicando consequências para o trabalho docente e para as lutas em prol da afirmação do público como esfera antimercantil.    

Palavras-chave


educação superior; trabalho docente; heteronomia; capitalismo dependente; movimento docente

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v6i1.12593

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.