A INTERNALIZAÇÃO DE SIGNOS COMO INTERMEDIAÇÃO ENTRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL E A PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA

Lígia Márcia Martins

Resumo


Esse artigo destaca a unidade teórico-metodológica existente entre a psicologia histórico-cultural e a pedagogia histórico-crítica, tomando como elemento central de análise a categoria de mediação. Tal fato justifica-se uma vez que a referida categoria desponta como premissa essencial do método materialista histórico-dialético; e esse método, por sua vez, é fundamento tanto da psicologia histórico-cultural quanto da pedagogia histórico-crítica. Para a consecução do objetivo anunciado, o texto encontra-se organizado em torno de dois temas. O primeiro volta-se à concepção histórico-cultural de psiquismo destacando a internalização de signos como condição para o desenvolvimento deste; o segundo coloca em foco as relações entre internalização de signos e formação de conceitos, tendo em vista a demonstrar que a qualidade dos conceitos em formação na escola é variável interveniente no desenvolvimento psíquico. À guisa de considerações finais, afirma a internalização de signos como elemento central de intermediação entre a psicologia histórico-cultural e a pedagogia histórico-crítica.

Palavras-chave: Psicologia Histórico-Cultural; Pedagogia Histórico-Crítica; Mediação; Internalização de Signos.  

 


Palavras-chave


psicologia Histórico-Cultural;Pedagogia Histórico-Crítica; Mediação; Internalização de Signos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v7i1.12291

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.