A EDUCAÇÃO DA “MISÉRIA”: PARTICULARIDADE CAPITALISTA E EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

Lalo Watanabe Minto

Resumo


Este estudo examina a relação entre as transformações da educação superior e o desenvolvimento capitalista no Brasil. Com base no referencial teórico marxista e na análise histórica, argumenta-se que, nas condições da particularidade brasileira, formas autônomas de educação superior não se tornaram imprescindíveis aos interesses de classe dominantes. A revolução burguesa se desenvolveu conforme padrões conservadores, não reproduzindo as formas clássicas e, neste sentido, dando origem a um tipo de educação superior também conservador, pouco abrangente, e com funções distintas de outras experiências históricas. Na primeira parte do estudo (capítulos 1 e 2), examina-se esse processo de desenvolvimento sob condições particulares, articulando o caso brasileiro ao desenvolvimento global do modo de produção capitalista. Na segunda parte (capítulos 3, 4 e 5), observam-se as determinações desta particularidade no campo educacional, em especial da educação superior. Esta análise foca o período que vai das reformas do ensino superior da Ditadura aos dias atuais, quadrante histórico que demarca o encerramento da revolução burguesa de extração colonial. Com este, a educação superior tende a se (re)ajustar definitivamente aos padrões da dominação imperialista e da subordinação ao grande capital.

Palavras-chave


Educação superior; particularidade capitalista; revolução burguesa; história da educação; reformas educacionais

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v6i1.11484

Direitos autorais 2018 Germinal: Marxismo e Educação em Debate

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Germinal: Marx. Educ. em Debate, Salvador - ISSN: 2175-5604.